Palestra Itália receberá segundo jogo da semifinal do Paulistão

Palmeiras apresenta laudos e convence FPF, polícia e Ministério Público a liberar estádio para o clássico

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

09 de abril de 2008 | 16h51

A diretoria do Palmeiras conseguiu nesta quarta-feira convencer a Federação Paulista de Futebol (FPF) e a Polícia Militar e o segundo jogo da semifinal do Campeonato Paulista contra o São Paulo, no dia 20 (domingo) deste mês, às 16 horas, será realizado no Estádio Palestra Itália, na zona de leste da capital paulista, casa do time alviverde.Veja também: O Palestra Itália tem condições de sediar o segundo jogo da semifinal? 67.815 ingressos para o primeiro clássico São Paulo x Palmeiras  Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Os números e destaques dos confrontos das semifinais Esta escolha contraria a vontade inicial do presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, que na última segunda-feira não queria a realização da partida no estádio alviverde. O considerava vetado e falava na realização das duas partidas do duelo - a primeira no domingo, 13 - no Estádio do Morumbi. Naquele momento, Del Nero dizia que o veto era motivado pela segurança, já que as ruas próximas ao local facilitam o encontro de torcidas.Os outros locais cogitados pelos palmeirenses eram o Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, e o Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto. O problema em ambos era a distância da capital - cerca de 450 km para o primeiro e 350 km para o segundo - e as condições do gramado.   Para garantir a segurança, o Palestra Itália receberá apenas 20 mil torcedores. O São Paulo só terá direito a 10% da carga de ingressos (dois mil).   "A justiça foi feita", afirma o gerente de futebol do Palmeiras, Toninho Cecílio, à ESPN Brasil. "O fato de termos conseguido o laudo que autoriza o jogo no Palestra Itália não diminuirá a dificuldade que teremos contra o São Paulo. Será uma semifinal mais justa, com cada equipe jogando em seu campo."   O São Paulo não queria jogar no Palestra, mas aceitou a decisão da FPF. "A escolha faz parte do regulamento do Campeonato Paulista. Nós respeitaremos a decisão, mas é claro que gostaríamos de jogar os dois jogos no Morumbi, que é um estádio que oferece alguns quesitos melhores, como segurança e conforto", explica João Paulo de Jesus Lopes, assessor da presidência são-paulina.   MINISTÉRIO PÚBLICO SE SURPREENDE O promotor Paulo Castilho, do Ministério Público, afirmou nesta quarta-feira que ficou surpreso com a decisão da Polícia, que autorizou o jogo no Palestra Itália. "A situação continua sendo de risco, mas se a Polícia deu o aval e assumiu a responsabilidade, vamos respeitar. Minha postura não muda. O jogo é complicado e poderemos ter confronto entre as torcidas", explica Castilho à ESPN Brasil.     Atualizado às 18h14 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.