Palmeiras: ? 7,5 milhões por meio Love

A volta de Vágner Love para o Palmeiras pode estar mais próxima do que se imagina. Ramão Oliveira, sócio do empresário Cláudio Guadagno, que gerencia a carreira do atacante, revelou que os dirigentes do Palestra Itália não pensam em trazer o jogador por empréstimo. "Fomos informados que o clube fez uma oferta de 7,5 milhões de euros para comprar a metade do passe de Vágner. Estamos esperando o CSKA nos informar sobre o recebimento do fax com a proposta oficial."Vágner diz que não fala sobre o assunto até que o CSKA se decida sobre seu futuro. "Da outra vez, acertei o salário primeiro e confiei que a outra parte resolveria tudo com meu clube. No fim, não aconteceu nada e acabei sofrendo um desgaste muito grande. Não quero passar por isso de novo", disse o atacante, sem esconder o descontentamento com a MSI na ocasião de sua negociação com o Corinthians.No Palmeiras, ninguém confirma a proposta. "O que nós fizemos foi mandar um e-mail para a diretoria do CSKA perguntando qual o valor para o empréstimo por um ano", disse o diretor de futebol Salvador Hugo Palaia. Segundo o dirigente, os contatos com o time russo começaram há dez dias. Palaia não quis falar sobre valores, mas ressaltou as vantagens em repatriar Love. "Trazê-lo de volta pode ser um bom negócio. O que nos interessa é o futuro valor de revenda."O Palmeiras tem direito a receber uma parcela das futuras transações envolvendo o atacante. Não só é beneficiado pela legislação da Fifa, que determina retorno financeiro aos clubes formadores quando um atleta de menos de 23 anos é negociado, como também tem direito a 10% do que for pago ao CSKA em nova transação - resultado de uma cláusula do contrato de transferência no ano passado.Palaia acredita que Love se valorizaria em volta ao Brasil. "Hipoteticamente falando, mesmo que uma parte do passe fosse comprada por dez milhões, poderia valer a pena. Se ele voltar para à seleção e for convocado para a Copa do Mundo - acho que tem futebol para isso - em revenda futura após o Mundial o valor investido triplicaria", raciocina o dirigente.Quanto a uma volta ao Palmeiras depois de quase se transferir para o rival, Vágner acha que não terá problemas. "Acredito que se fizer uns gols vai ficar tudo certo", diz o jogador que neste fim de semana está dividido entre participar da festa de aniversário do cunhado e do Campeonato Metropolitando de Futebol de Várzea.Nos bastidores do futebol europeu, poucos acreditam que Vágner possa jogar no Corinthians. Tudo porque Roman Abramovich, um dos investidores do CSKA, tornou-se inimigo de Boris Berezovski, que confirmou ser investidor da MSI. Por esse motivo, não libera o jogador para o rival por menos de 20 milhões de euros. A MSI oferceu 15 milhões de euros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.