Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

Palmeiras admite estar em dívida com a torcida

Equipe alviverde chega a três confrontos seguidos sem conseguir uma vitória no Brasileirão

Agencia Estado

15 de agosto de 2009 | 21h37

Os jogadores palmeirenses saíram de campo sabendo que estão em dívida com a torcida que lotou o Palestra Itália na noite deste sábado. O empate por 1 a 1 com o Botafogo mantém a equipe na liderança do Campeonato Brasileiro. Mas a sombra do Internacional, que tem duas partidas a menos, começa a ameaçar.

Veja também:

linkPalmeiras empata a terceira seguida

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Temos de erguer a cabeça, ir para o próximo jogo e buscar a vitória no Paraná", disse o zagueiro Maurício Ramos, ao se referir ao jogo da quarta-feira, diante do Coritiba, pela primeira rodada do segundo turno do Brasileirão.

"Realmente ficamos devendo", afirmou o meia Cleiton Xavier. "A torcida nos apoiou o tempo todo e não conseguimos retribuir com um bom futebol."

Depois da igualdade deste sábado, o Palmeiras enfrenta sua pior sequência no torneio: são três jogos sem vencer. O time enfrentou o Botafogo após dois empates, contra Grêmio e Atlético-MG, também por 1 a 1.

Cleiton Xavier reclamou do cansaço, já que a equipe jogou no Mineirão na quarta-feira à noite. "A partida no Mineirão foi muito dura e isso pode ter atrapalhado a gente", explicou o meia.

Apesar do lamento, os palmeirenses não deixaram de dar mérito à atuação do Botafogo. "Eles vieram fechadinhos, dificultaram nosso trabalho", disse Cleiton Xavier.

Já Diego Souza, que levou o terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Coritiba no meio de semana, reclamou da retranca botafoguense. "Nossa equipe buscou a vitória, mas eles se fecharam", disse o meia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.