Palmeiras ainda briga pelo título, garante Maikon Leite

A fase do Palmeiras não é das melhores. Nos cinco jogos que fez em agosto, o clube alviverde perdeu duas vezes e só conquistou três empates, como o desta quinta-feira, contra o Bahia. Por isso, ouviu da torcida que o time é "sem-vergonha". Para piorar, o próximo adversário é o São Paulo, no Morumbi, palco onde não vence o rival desde 2002.

DANIEL AKSTEIN BATISTA, Agência Estado

19 de agosto de 2011 | 17h17

Para Maikon Leite, que deverá substituir o lesionado Dinei no time titular no clássico, o Palmeiras não pode abaixar a cabeça. "Ainda estamos na briga pelo título. A sequência não está tão boa, mas estamos na luta e não vamos parar de lutar", analisa o atacante. O Palmeiras apesar dos contratempos, é o sexto colocado, com 28 pontos, nove a menos que o líder Corinthians, mas empatado com o Botafogo, último clube na zona de classificação à Libertadores.

"Na atual situação, eles (do São Paulo) podem até ser favoritos. Mas vamos para cima para vencer", garante o atacante, que preferiu se abster da polêmica envolvendo o vice de futebol Roberto Frizzo e o técnico Luiz Felipe Scolari. "Problema extracampo não é com a gente. Eu tenho é que me preocupar com os gols, que já não estão acontecendo", lembrou Maikon Leite, que não balança as redes desde 10 de julho, quando marcou no clássico contra o Santos.

A primeira chance para pôr fim a este jejum é no clássico contra o São Paulo, domingo. Depois, o time ainda terá pela frente outros dois jogos importantes: o Vasco, quinta-feira, pela Sul-Americana, e o Corinthians, no domingo seguinte, no Brasileirão. "É uma sequência que não é fácil. Mas temos que estar preparados e, se Deus quiser, vamos ter três vitórias", disse Maikon Leite.

Felipão terá quatro problemas para escalar o time que vai pegar o São Paulo. Thiago Heleno, Gerley e Valdivia estão suspensos pelo terceiro amarelo e Dinei, com um estiramento na coxa, deve ficar um mês afastado dos gramados. Nesta sexta-feira pela manhã, o elenco fez um treino leve, regenerativo, mas a tendência é que o treinador escale o time domingo com: Marcos; Cicinho, Maurício Ramos (Leandro Amaro), Henrique e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção e Patrik (Tinga); Luan, Kléber e Maikon Leite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.