Palmeiras anuncia reforço amanhã

Já virou discurso de Jair Picerni: "daqui a alguns dias teremos três grandes reforços, um trio forte". O treinador do Palmeiras tenta manter-se sereno, confiante nos esforços da diretoria e na promessa do presidente Mustafa Contursi de que ganhará jogadores de ?peso? antes do fim de semana. A situação, contudo, não é fácil. Edmundo pede muito, França tem cláusula no contrato que o impede de atuar por rivais do São Paulo. Cocito, Adriano e Lúcio estão descartados pelo presidente. Com tamanha dificuldade, a certeza é que amanhã contará com um reforço. Mas quem? "Pode ser o Dininho, o Serginho, o Anaílson ou o Adhemar," informa Picerni. Nem o treinador sabe. Só que vem do São Caetano, em troca com o lateral-direito Pedro. "Amanhã acerto tudo, com certeza vou para o São Caetano", revela Pedro. "Só falta saber qual jogador deles vem para cá." O empréstimo será de um ano. Picerni não esconde a preferência pelo zagueiro Dininho. Mas... "A opção é por ele, porém, qualquer um dos três cairia bem", disse, lembrando, ainda, de Daniel. Fonte ligada ao São Caetano informou que o clube não aceita liberar Dininho e Serginho. E que já teria oferecido Anaílson em troca por Muñoz. Como o Palmeiras não abre mão do colombiano, para ter o meia, teria de ceder outro atleta. Quanto à Edmundo, o clube ainda tenta baixar a proposta salarial feita pelo atleta para chegar a um acordo. O atacante teria pedido R$ 150 mil, por mês, livres de impostos. "Temos de fazer um acordo que possamos cumprir, com a razão, não com a emoção", disse o diretor de Futebol Fernando Gonçalves. "Contávamos com uma série de receitas que evoluiram negativamente." Com a queda para a Segunda Divisão, a cota do Palmeiras para o Brasileiro cai de R$ 13 milhões para R$ 6,5 milhões. E não receberá os R$ 5 milhões que pede da Futebol Brasil Associados, que administra as cotas da Série B. O Palmeiras fará jogo-treino sábado, diante do Santo André. Marcos, gripado não joga. No dia 9, o teste é o Paulista e no dia 11, o União São João.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.