Palmeiras: após 12 dias, tudo novo

Crise, seqüência de derrotas, eliminação da Copa Libertadores e dispensa de jogadores. O Palmeiras viveu tudo isso no mês passado e só viu uma luz reaparecer com a vitória sobre o Santos, há 12 dias. Depois disso, entrou em recesso prometendo renascer de cara nova, que será mostrada neste sábado, no estádio Serra Dourada, tendo o Goiás como adversário, às 18h10. Melhor entrosamento e um futebol renovado são as promessas de jogadores e do técnico Paulo Bonamigo. Uma nova derrota, porém, deixará o clube bem perto ou dentro da zona de rebaixamento. "O Palmeiras tem tudo para fazer uma partida excepcional. Está entrosado e motivado porque trabalhou forte nesses 12 dias e se conheceu melhor", disse Bonamigo. "Evoluiu o entrosamento, principalmente entre o Juninho e o Marcinho."No período de inatividade, o Palmeiras negociou Magrão, Osmar, Marcel e Claudecir. Além disso, afastou André Cunha e Gabriel e cedeu Marcos para a seleção brasileira. Some-se a isso as ausências de Daniel, suspenso, e Pedrinho, de contrato renovado mas ainda sem condição física ideal.Com tantas mudanças e um elenco mais enxuto, Bonamigo pôde realizar um trabalho mais eficaz nas duas últimas semanas e optou pela volta do volante Marcinho Guerreiro e do atacante Warley. Apesar de montar o time com dois zagueiros, o técnico promete não "fugir muito ao desenho tático do último jogo". Em outra palavras, Marcinho Guerreiro atuará, em determinados momentos, como terceiro zagueiro."Acho que a parada foi primordial. Muitos jogadores não se conheciam direito e também pudemos corrigir alguns erros que estavam acontecendo por uma ansiedade de conseguir o resultado muito rápido", afirmou o lateral Lúcio, que vai estrear as chuteiras recebidas de presente do lateral Roberto Carlos, do Real Madrid e da seleção.A volta - Os 12 dias de treinos serviram também para o atacante Warley reconquistar vaga no time titular, por bons desempenhos nos treinamentos e por mostrar ainda algum entrosamento com o meia Marcinho - os dois eram do São Caetano em 2004. "A expectativa é grande. Espero corresponder e conseguir uma continuidade como titular", revelou o jogador contratado em janeiro. "Eu oscilei muito desde que cheguei, mas acho que agora posso conseguir uma regularidade. O time estava buscando uma seqüência de vitórias. Se vencer o Goiás, tem grande possibilidade de embalar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.