Sebastião Moreira / Reuters
Sebastião Moreira / Reuters

Palmeiras arrasa Bolívar, vai às oitavas e brigará por liderança na Libertadores

Com boa atuação e até gol de Rony, equipe de Luxemburgo faz 5 a 0 nesta quarta-feira, no Allianz Parque

Redação, Estadão Conteúdo

30 de setembro de 2020 | 21h26

Com segundo tempo arrasador, o Palmeiras está garantido nas oitavas de final da Copa Libertadores. Cheio de novidades, a equipe acabou com a incômoda série de três empates seguidos em grande estilo, ao golear o Bolívar por 5 a 0 no Allianz Parque. Com 13 pontos e a confiança de volta, o time de Vanderlei Luxemburgo tem ótima chance de fechar a fase na liderança geral da competição.

Novidades na escalação, os atacantes Willian, Wesley e Rony, além do meia Raphael Veiga, deixaram sua marca. O outro gol foi de Viña. Weverton fez boas defesas quando o time vencia por 1 a 0 e também se destacou.

O Palmeiras volta a jogar pela Libertadores daqui 21 dias. E novamente no Allianz Parque. Receberá o Tigre, da Argentina, e buscará nova vitória para garantir o topo entre os primeiros colocados e a possibilidade de sempre decidir em casa nos mata-matas.

Mas a chave agora se volta ao Brasileirão, no qual terá sequência de cinco jogos para melhorar seu desempenho e tentar aproximação do líder Atlético-MG. Apesar de invicto, o Palmeiras empatou sete dos 11 jogos disputados na competição e está a cinco pontos dos mineiros.

Luxemburgo mandou o Palmeiras a campo no Allianz Parque com cinco novidades, três delas já pensando no futuro. Suspensos diante do Ceará, no Brasileirão, Zé Rafael, Lucas Lima e Gabriel Menino perderam o lugar para Bruno Henrique, Raphael Veiga e Wesley, respectivamente. Luiz Adriano foi poupado por desgaste, dando lugar a Willian, enquanto o menino Gabriel Veron saiu para a volta de Rony.

Luxemburgo avisou após o empate contra o remendado Flamengo, no último domingo, que já estava passando a hora de o time jogar bem e que seguiria buscando a escalação ideal. Ele andava bravo com os altos e baixos de muitos jogadores.

Obviamente que Luiz Adriano é titular absoluto. Mas as demais trocas podem ser efetivadas. Desde que as novidades mantenham o bom desempenho. A primeira impressão foi muito boa, mesmo diante de um frágil rival. Resta saber quem perderia a vaga no ataque.

Precisando pôr fim à série de empates e a mostrar um futebol convincente, o Palmeiras precisou de um só ataque para abrir vantagem. Logo com 3 minutos, saiu o gol. Com participação do novo trio ofensivo. Rony foi no fundo pela direita e cruzou forte, Wesley pela esquerda desviou para o meio, e Willian, de carrinho, desviou às redes bolivianas. Festa dos cobrados atacantes e aplausos do "professor".

O Palmeiras de ataque veloz e mais leve chegou muito mais na frente que em jogos anteriores. Mas repetiu alguns vacilos atrás no primeiro tempo. Numa bola perdida no meio e, depois num erro de posição da defesa, quase o Bolívar empata. Weverton fez duas belas defesas, espalmando os chutes de Rey e Anderson em intervalo de dois minutos.

Apesar dos sustos e do recuo após abrir vantagem, o Palmeiras também chegou. Wesley exigiu grande defesa do goleiro boliviano e, assim como Rony, infernizou a defesa rival com dribles e alta velocidade. Os chutes de fora da área mostraram que Luxemburgo autorizou que o time arriscasse mais. Mesmo assim, o futebol da primeira ainda não foi o esperado.

Após o papo do intervalo, o Palmeiras voltou como um rolo compressor. E, em 18 minutos, o placar apertado se transformou em uma senhora surra. Wesley fez em belo chute colocado, logo com dois minutos.

A vantagem maior obrigou os bolivianos a saírem com tudo para cima. O Palmeiras, então, deu aula de contra-ataque e chegou ao gol rival a todo momento. Viña fez o terceiro aproveitando uma sobra e ainda serviu Raphael Veiga no quarto gol em nova jogada em altíssima velocidade.

Luxemburgo, que em outros jogos fazia as cinco mudanças para tentar arrumar o time, deste vez as realizou para rodar o elenco e dar descanso aos titulares. Mas ainda faltava o de Rony, que desde sua chegada ainda não tinha deixado sua marca e oscilava entre time titular e banco de reservas.

O buscado gol veio, de cabeça. E, enfim, a tradicional cambalhota deu as caras com a camisa verde. O Palmeiras mostra que está forte na Libertadores e, enfim, dorme festejando um grande resultado. Foi uma segunda etapa de respeito e que há algum tempo o time devia a seu torcedor.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 5 x 0 BOLÍVAR

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha (Gabriel Menino), Felipe Melo (Luan), Gustavo Gomez (Vitor Hugo) e Viña; Bruno Henrique (Ramires), Patrick de Paula (Danilo) e Raphael Veiga; Rony, Wesley e Willian. Técnico - Vanderlei Luxemburgo.

BOLÍVAR - Iguaro; Bejarano (Quintetos), Jusino, Haquín e Roberto Fernández; Saavedra (Machado), Rey (Vaca), Oviedro e Juan Arce; Anderson (Cataldi) e Riquelme. Técnico - Cláudio Vivas.

GOLS- Willian, aos 3 minutos do primeiro tempo; Wesley aos 2, Viña, aos 13, Raphael Veiga, aos 15, e Rony, aos 18 do segundo.

CARTÕES AMARELOS - Gustavo Gomez e Weverton (Palmeiras), Fernández (Bolívar)

JUIZ - Leodan González (URU).

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.