Palmeiras B vence nos pênaltis

Quinta-feira, feriado de Corpus Christi, dia seguinte à derrota do Palmeiras para o Boca Juniors, nos pênaltis, após empate por 2 a 2, pela Libertadores. A equipe entra novamente no campo do Palestra Itália. O adversário também usava um uniforme azul, como o do time argentino. Dois ônibus levaram os torcedores adversários ao estádio. Em vez de 30 mil, a arquibancada era ocupada por cerca de 300 pessoas. Poucos policiais davam segurança ao espetáculo. A cabine de imprensa estava vazia. Havia uma rádio, nenhuma emissora de televisão.Como na quarta, o jogo também terminou empatado - 1 a 1. E a decisão foi para os pênaltis. Desta vez, a história foi diferente. O Palmeiras ganhou por 2 a 1, com duas excelentes defesas de seu goleiro, que não era Marcos, mas o jovem Fernando.O palco era o mesmo, mas o cenário, bem diferente. A partida reuniu o Palmeiras B contra o Osasco, equipes da Série B1 do Campeonato Paulista. O duelo não teve a mesma emoção, embora tenha sido parecido com o do dia anterior. O Palmeiras perdia, mas conseguiu a reação e o empate no fim. Alguns torcedores fizeram questão de voltar ao Palestra Itália no dia da ressaca. O objetivo: esfriar a cabeça e, quem sabe, sonhar que aquele, sim, era um jogo decisivo para o Alviverde não aquele contra o Boca. "Resolvi vir hoje para relaxar um pouco depois do sofrimento de ontem (quarta-feira)", contou Thomaz Abbatepaulo. Levou junto o filho, Guilherme. "Na hora em que o Alex foi bater o pênalti, ele até fez xixi na calça", lembrou Thomaz. "E depois não conseguiu dormir."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.