Chapecoense/Twitter
Chapecoense/Twitter

Palmeiras bate a Chapecoense e diminui distância para o São Paulo

Alviverde fica seis pontos atrás do tricolor após vitória por 2 a 1 sobre catarinenses, fora de casa

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2018 | 21h10

Enfrentar a Chapecoense após o desgastante jogo com o Cerro Porteño pela Copa Libertadores caiu muito bem para o time do Palmeiras. O frio de 13 graus e a chuva constante não impediram que a maior qualidade técnica do time alternativo de Luiz Felipe Scolari obtivesse mais uma vitória, por 2 a 1, que garantiu os 40 pontos na classificação, seis atrás do líder São Paulo. Os gols do jogo foram marcados por Hyoran e Borja, para os paulistas, e Rafael Thyere, que descontou para os catarinenses.

"Tenho um grande grupo, com bons jogadores, e com isso consigo montar várias equipes competitivas", disse Felipão antes mesmo de a bola rolar na fria Arena Condá, em Chapecó.

Durante o jogo, o Palmeiras passou a impressão de que poderia vencer quando e como quisesse. Isso causou uma irregularidade na produção palmeirense, que permitiu ao time de Santa Catarina algumas oportunidades. Weverton precisou se esforçar e até torcer para que a cabeçada de Leandro Pereira apenas acertasse a trave.

Ente as atuações individuais, Felipe Melo foi o destaque do lado palmeirense. O volante cabeceou na trave, deu a assistência para o gol de Hyoran, chutou com perigo da entrada da área e tomou conta do setor defensivo, com direito até a chapéu no adversário. "Procuro conversar e confio muito em meus jogadores", disse Felipão, referindo-se ao fato de ter escalado o camisa 30, após a expulsão aos 4 minutos diante do Cerro.

"Nós temos de parar com esta mania de tomar gol no início", disse Elicarlos, da Chapecoense, ao reclamar da atitude do time no início do jogo.

O segundo tempo começou e logo aos seis minutos Borja ganhou de quatro zagueiros para fazer o segundo gol, que parecia ter definido o vencedor. Mas o time de Felipão mais uma vez abaixou a guarda e viu Rafael Thyere diminuir de cabeça.

Apesar de não gostar do estigma de retranqueiro, Felipão toma algumas atitudes que confirmam esta característica. O treinador tirou Lucas Lima e colocou Bruno Henrique. A alteração incentivou a Chapecoense, que foi para o ataque e, diante de suas limitações, ficou com a posse de bola e perdeu grande chance com o argentino Doffo, aos 37 minutos. Sofrimento desnecessário.

FICHA TÉCNICA

CHAPECOENSE 1 x 2 PALMEIRAS

Gols: Hyoran aos 13 do 1º tempo. Borja aos 6 e Rafael Thyere aos 15 do 2º. 

Chapecoense: Jandrei; Eduardo, Rafael Thyere, Nery e Roberto; Elicarlos (Canteros), Márcio Araújo e D. Torres (Yann); Bruno Silva, Osman (Doffo) e Leandro Pereira. Técnico: Guto Ferreira.

Palmeiras: Weverton; Mayke (Jean), Luan, Gómez e Victor Luís (Diogo Barbosa); Felipe Melo, Thiago Santos e Lucas Lima (Bruno Henrique); Willian, Hyoran e Borja. Técnico: Felipão. 

Juiz: Ricardo Ribeiro (MG). 

Amarelos: D. Torres, V. Luís, Osman, L. Pereira, D. Barbosa, M. Araújo. 

Público: 4.546 pagantes.

Renda: R$ 188.015,00. 

Local: Arena Condá.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.