Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras bate o América-MG e abre vantagem nas oitavas da Copa do Brasil

Alviverde vai levar placar favorável para a volta, que será disputada no Allianz Parque

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 21h36

O Palmeiras aproveitou a estreia na Copa do Brasil para ampliar a boa fase e mostrar a força do ataque para o clássico de domingo com o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro, na casa do rival. Jogando no Independência, o time venceu o América por 2 a 1. No jogo de volta, no dia 23, vai jogar pelo empate em casa. Agora, a equipe de Roger Machado têm oito jogos de invencibilidade. Por outro lado, a vitória deixou um motivo de preocupação para os palmeirenses: o desempenho da defesa. O zagueiro Antonio Carlos falhou feio em uma saída de bola, permitindo o gol do América, e o setor se mostrou vulnerável nas jogadas pelo alto. 

+ TEMPO REAL - América-MG 1 x 2 Palmeiras

+ Palmeiras entra com mandado no STJD para impugnar final do Paulistão

No jogo desta quarta-feira, o Palmeiras mostrou como consegue ser o melhor visitante do futebol brasileiro na temporada. A equipe mantém o padrão tático e toma a iniciativa mesmo na casa dos rivais. A equipe alviverde tocou a bola no campo do adversário como se estivesse no Allianz Parque. Para isso, aproveitou obviamente sua organização tática e a qualidade técnica superior dos atletas do meio para a frente. 

Mas os números mostram que o cenário desse jogo não foi um fato isolado. Quase sempre o Palmeiras impõe seu jogo. Considerando todos os torneios e também o jogo no Independência, o time alviverde atuou como visitante em 15 ocasiões. Ganhou 12, empatou duas e foi superado em uma única partida, diante do Corinthians, pelo Campeonato Paulista. 

A mobilidade foi o ponto forte. Marcos Rocha e Keno criaram boas chances pela direita. Mas Dudu também jogava por ali, desnorteando a defesa mineira. O América, atual campeão da Série B do Campeonato Brasileiro, entrou em campo com cinco alterações, principalmente por questões físicas. Isso prejudicou o entrosamento. Mesmo assim, conseguiu criar situações de perigo, principalmente nos cruzamentos. O Palmeiras correu sérios riscos em pelo menos dois momentos e não tinha a mesma eficiência do ataque. 

+ Reservas do Grêmio vencem Goiás e garantem vaga nas quartas da Copa do Brasil

O grande problema foi a falta de pontaria. Aos 16, por exemplo, Borja cruzou e Dudu apareceu na área para finalizar em cima do goleiro. Em dois minutos, o time perdeu dois gols praticamente com o gol vazio. Aos 21, Borja tropeçou na bola, mas conseguiu tocar para Dudu. Aí, foi o camisa 7 que "engrossou" e chutou para fora com o gol aberto. Aos 23, os papeis se inverteram, Dudu tocou e o colombiano errou o alvo. Era mais um lance fácil com o gol escancarado. 

Na sua terceira tentativa, Borja não decepcionou. Após cruzamento de Lucas Lima, ele tocou com a sola da chuteira para abrir o placar. Ele comemorou com raiva, socando o ar, conseguindo sua redenção pessoal após as chances perdidas. Foi o 11º gol do colombiano em 2018. No mês de maio, ele já conseguiu superar os dez que marcou em 2017. O lance também resgatou a importância de Lucas Lima, que quase perdeu o lugar de titular antes da contusão de Moisés. O meia deu sua sétima assistência na temporada e se tornou o líder do time nesse quesito. 

No início do segundo tempo, o Palmeiras contou com a segurança de Jailson para impedir o empate. Após cruzamento de Luan, Rafael Moura tocou para o gol. Diogo Barbosa desvia e quase faz contra. O goleiro salvou. Foi o único susto em um jogo sob controle. 

Aos 11 minutos, o Palmeiras praticamente definiu o jogo em Minas. Keno iniciou a jogada no meio, tocou para Borja e chegou para completar: 2 a 0. A defesa do América cochilou e não acompanhou a movimentação do ataque. 

O técnico Enderson Moreira ficou dividido entre tentar diminuir o placar ou se resguardar para evitar uma goleada, tentando se manter "vivo" para o jogo de volta, no dia 23. Ele optou pelo primeiro caminho. Trocou o apagado Rafael Moura por Aylan e conseguiu maior movimentação no ataque. Foi aí que o Palmeiras não suportou a pressão na saída. Em uma falha individual do zagueiro Antonio Carlos, Serginho completou e diminuiu. O time mineiro havia utilizado a marcação na saída de bola em vários momentos, mas finalmente conseguiu sucesso. 

O primeiro gol mineiro acendeu a torcida no estádio Independência. Com entusiasmo, o América passou a cruzar mais bolas na área, mas não conseguiu a igualdade. O Palmeiras terminou o jogo acuado, apostando nos contra-ataques. Sofreu uma pressão que poderia ter sido controlada.

FICHA TÉCNICA

América-MG 1 x 2 Palmeiras

América-MG: João Ricardo; Norberto (Marquinhos), Rafael Lima, Messias e Giovanni; Leandro Donizete, Christian, Serginho, Luan (Rui) e Aderlan; Rafael Moura (Aylon). Técnico: Enderson Moreira.

Palmeiras: Jailson; Marcos Rocha, Antonio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Thiago Santos), Bruno Henrique e Lucas Lima (Guerra); Dudu, Borja e Keno (Willian). Técnico: Roger Machado.

Gols: Borja, aos 37 do primeiro tempo; Keno, aos 11 e Serginho, aos 27 do segundo tempo.

Juiz: Braulio  Machado (SC).

Amarelos: Rafael Lima, Leandro Donizete.

Público: 12241 pagantes.

Renda: R$ 132.987,00.

Local: Independência.

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras futebol Copa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.