Palmeiras bate Santos; São Paulo sobe

Marcos voltou a jogar como São Marcos e o Palmeiras voltou a vencer como time grande. O goleiro justificou o rótulo de um dos principais nomes da história do clube e liderou a equipe no triunfo por 3 a 1 sobre o até então favorito Santos, atual campeão nacional. Mais do que isso: parou a maior estrela do futebol brasileiro da atualidade. Fez três grandes defesas e impediu que Robinho deixasse sua marca no Parque Antártica. "Nosso time jogou com confiança, correu, mostrou motivação", festejou o melhor jogador do clássico. "Eu também fico empolgado e cresço no campo ao ver o time lutando."Marcos, além de ter garantido a segunda vitória consecutiva do Palmeiras na competição, ajudou bastante o São Paulo. O time do Morumbi, líder do Campeonato Paulista, empatou com o Paulista por 2 a 2, em Jundiaí, chegou a 29 pontos e abriu 5 de vantagem sobre o Santos, o principal concorrente na briga pelo título. O Mogi Mirim, com 25, ocupa o 2º lugar, mas não é considerado, entre os são-paulinos, uma ameaça. O Palmeiras foi a 17, porém está praticamente fora da luta pela primeira colocação.Pedrinho, recuperado de contusão, também viveu uma tarde inspirada. Vestiu a camisa alviverde pela primeira vez em 2005, ao entrar no segundo tempo no lugar de Osmar, e foi decisivo. Marcou dois gols, chorou e comemorou como em poucas vezes na carreira. "Valeu o esforço, passei por momentos de emoção, houve o nascimento do meu filho, tive problemas particulares, com meus pais... Não poderia ter sido melhor."Só não se pode dizer que o domingo foi de completa alegria para os palmeirenses, porque, antes da partida, torcedores das duas maiores uniformizadas do clube, Mancha Verde e TUP, brigaram fora do estádio. O saldo: vários feridos, dois hospitalizados e 62 detidos.O resultado negativo deixa Oswaldo de Oliveira em perigo. O técnico santista não vem agradando a torcedores e dirigentes e, neste domingo, não foi feliz nas substituições e na armação da equipe. Deixou muito espaço para que o Palmeiras explorasse os contra-ataques e fizesse os gols. Na quinta-feira, o Santos já havia jogado mal diante do Danubio, pela Libertadores, apesar da vitória por 3 a 2.O clássico do Parque Antártica expôs dois times em situações opostas. O Santos, com Robinho, Ricardinho, Deivid e Léo, tem elenco de alto nível. O Palmeiras, com jogadores pouco badalados, vem oscilando demais e ainda tenta se acertar neste início de temporada.O público foi bom: cerca de 18 mil pessoas. E quem foi ao Parque Antártica não se decepcionou. O jogo foi emocionante, com ótimos lances e oportunidades de gol dos dois lados. O Santos atacou mais no início, mas foi infeliz nas finalizações, principalmente com Deivid, que teve atuação fraca. Ricardinho quase abriu o placar em cobrança de falta, mas Marcos salvou. Pouco antes do intervalo, Daniel, de cabeça, fez 1 a 0 para o Palmeiras.Na segunda etapa, o Santos empatou com Ricardinho, em cobrança de pênalti inexistente, tentou passar à frente no placar, mas parou no brilhante desempenho de Marcos e logo voltou a ficar em desvantagem. O meia Pedrinho, recuperado de contusão, estreou no ano, ao entrar no lugar de Osmar, e foi decisivo. Marcou dois bonitos gols e assegurou o triunfo palmeirense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.