Palmeiras: Candinho faz treino secreto

O Palmeiras fez um treino secreto para enfrentar o Guarani, domingo, no Parque Antártica. O coletivo programado para às 16h, em Itu, foi antecipado para o período da manhã. O mistério de Candinho não é uma estratégia para surpreender o adversário. Nos bastidores, porém, sabe-se que o treinador palmeirense só está querendo evitar polêmica. Como o técnico está pensando em não escalar nenhum titular no domingo, ele fez de tudo para esconder o time que treinou no coletivo. "Não é nada disso, não tem mistério nenhum", desconversou o próprio Candinho, que não deveria falar com a imprensa, hoje, mas acabou tendo uma conversa informal com os jornalistas que foram a Itu. Na conversa, Candinho falou sobre quase tudo, menos do coletivo. E deu boas notícias para a torcida: Ricardinho, que estava praticamente fora do jogo contra o Santo André, pela Libertadores, na terça-feira, já treinou forte fisicamente hoje e pode ser liberado para os treinamentos no campo a partir de amanhã. "Se ele (Ricardinho) confirmar o bom ritmo, o time para enfrentar o Santo André já vai ganhar uma nova cara, já que o Magrão e Osmar devem se recuperar a tempo. Olha só como os dois estão correndo num ritmo forte", apontou o chefe. O técnico também fez um discurso otimista em relação ao futuro do time na Libertadores. Pelos cálculos do técnico, o Palmeiras precisa só de mais uma vitória para carimbar a sua passagem para a segunda fase da competição. "Pensando bem, até um empate contra o Santo André será bom para a gente. Se empatar, o Palmeiras vai a seis pontos ganhos e o Santo André vai a três. Só que o Santo André tem que jogar com o Cerro lá no Paraguai e depois o Cerro terá de enfrentar o Palmeiras aqui no Parque Antártica. Nossa situação é muito boa. A coisa só ficaria ruim mesmo se o Palmeiras perder os três jogos". Candinho usou esses cálculos para provar que nesse início de temporada o Palmeiras está vivendo duas fases distintas. Se no Campeonato Paulista o time jamais fez uma boa campanha, na Libertadores o desempenho é bom. "Somos os líderes do nosso grupo. E ainda tem gente vindo com a mesma ladainha. Se perder cai o Candinho, cai o fulano, cai o cicrano". Apesar das palavras de otimismo do técnico, os jogadores não vêem a hora de o Campeonato Paulista chegar ao fim. Essa competição tem sido um pesadelo para o time. Os maus resultados deixaram os jogadores tensos. Domingo, em Americana, no intervalo do jogo contra o Rio Branco, Correa e Marcinho discutiram em pleno campo. Na terça-feira, Marcinho admitiu que está vivendo o seu pior momento no clube e que anda muito tenso. Hoje, foi a vez de Correa reconhecer o nervosismo. "Todo mundo aqui está um pouco mais nervoso. Mas não pode extrapolar para a agressão", resumiu o lateral, que não quis se aprofundar no assunto. "Nem queria dar entrevista hoje mas já estou". Quanto ao time que tanto Candinho tentou esconder da imprensa, deixou de ser mistério: Sérgio, André Cunha (Bruno), Daniel (Gabriel), Gláuber (Leonardo) e Fabiano; Claudecir, Alceu, Francis e Christian; Marcel e Warley.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.