Palmeiras cede parte dos direitos e renova com Gabriel Jesus

Palmeiras cede parte dos direitos e renova com Gabriel Jesus

Atacante assina contrato de cinco anos, passa a fazer parte do time principal e clube fica com 30% de seus direitos econômicos

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2014 | 18h44

Após nove meses de negociação, finalmente o Palmeiras acertou nesta sexta-feira a renovação de contrato do atacante Gabriel Jesus (o jogador pediu para ser chamado de Gabriel Jesus ao invés de Gabriel Fernando), de 17 anos, considerado por muitos no clube como uma das maiores revelações do time nos últimos anos. No fim, empresários do jogador e o presidente Paulo Nobre cederam em partes e prevaleceu a vontade do atleta, que era ficar no Palmeiras. O salário não será tão alto, por outro lado, o clube perde grande porcentagem dos direitos econômicos do garoto.

O Estado apurou que nesta sexta-feira, no começo da noite, foi realizada uma reunião entre representantes do atleta e do Palmeiras para sacramentar o negócio. Gabriel Jesus assinou contrato válido por três anos, com renovação automática por mais dois, já que ele tem apenas 17 anos e não pode assinar vínculo maior do que três temporadas. O salário passará dos R$ 2,5 mil mensais para R$ 15 mil no primeiro ano, R$ 25 mil no segundo, R$ 35 mil no terceiro, R$ 45 mil no quarto e R$ 60 mil no quinto ano. A multa para tirá-lo do clube pula de R$ 3 milhões para R$ 30 milhões.

Além disso, Gabriel será reintegrado ao time profissional e receberá bônus por cada partida que entrar em campo. O que chama a atenção é a diferença em relação aos direitos econômicos do atleta. Atualmente, o Palmeiras tem 75% e os empresários, 25%. A partir de agora, o Palmeiras fica apenas com 30% e os agentes, com 70%.

A decisão deixa claro que o presidente Paulo Nobre preferiu não correr riscos e pensou mais no presente do que no futuro. Ele consegue manter o jogador, com um salário compatível aos demais atletas da base que se destacam e sem precisar pagar luvas para o garoto e comissão aos empresários. Entretanto, se no futuro Gabriel Jesus comprovar as expectativas e se tornar um grande jogador, o clube receberá porcentagem relativamente pequena de uma negociação.

A vontade do jogador fez toda a diferença. Os agentes do atleta estavam cansados de negociar com o Palmeiras por causa da demora no acerto, e já trabalhavam com a possibilidade de negociá-lo com outro time. Mas Gabriel é palmeirense fanático, queria ter a oportunidade de atuar no time profissional e fazer história com a camisa alviverde, onde já chamou a atenção na base. No Paulista Sub-17, por exemplo, o Palmeiras foi vice-campeão tendo o meia como artilheiro, com 34 gols. O vice-artilheiro foi Nego, do Santos, com 19.

LONGA NEGOCIAÇÃO

A negociação se tornou uma longa novela. Em março, os empresário do atacante entraram em contato pedindo para renovar o vínculo, que se encerra em dezembro de 2015 por mais uma temporada e meia. Assim, o garoto ficaria no clube até julho de 2016. O salário passaria para R$ 6 mil no primeiro ano, R$ 8 mil no segundo e R$ 10 mil no terceiro e os agentes teriam 40% dos direitos federativos e o Palmeiras ficaria com 60% - lembrando que atualmente está dividido em 75% para o Palmeiras e 25% para os empresários.

Em junho, após três meses, o Palmeiras fez uma contraproposta oferecendo um contrato de cinco anos com os seguintes valores, que aumentariam a cada ano: R$ 10 mil, R$ 12 mil, R$ 14 mil, R$ 17 mil e R$ 20 mil e os direitos continuariam sendo 75% do Palmeiras e 25%, respectivamente.

Uma semana depois da oferta palmeirense, com o assédio em cima do garoto aumentando, os agentes fizeram uma nova oferta, pedindo R$ 20 mil, R$ 25 mil e R$ 30 mil, valores que subiriam ano a ano. Eles ainda queriam R$ 700 mil de luvas e auxílio moradia para o atacante que mora na periferia da Zona Norte de São Paulo. Os direitos ficariam sendo 30% para a equipe do jogador e 70% para o Palmeiras. 

Sem resposta, os empresários novamente entraram em contato e aumentaram a pedida. Queriam R$ 60 mil mensais por um acordo de três anos. Nos últimos dois meses, as conversaram se tornaram mais corriqueiras e Paulo Nobre não aceitou que investidores entrassem na negociação, o que quase tirou o garoto do clube. Mas após os lados cederem, Gabriel Jesus renovou e em 2015 estará no time principal. Ele já tem a confiança da torcida.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolMercado da Bola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.