Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Raul Martinez/Efe
Raul Martinez/Efe

Palmeiras cobra providências da Conmebol após confusão no Uruguai

Diretoria reclama de estrutura de segurança e lamenta briga com os jogadores do Peñarol

O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2017 | 10h30

A diretoria do Palmeiras criticou o esquema de segurança o estádio Campeón del Siglo, em Montevidéu, e prometeu cobrar da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) providências após a confusão ao fim do jogo contra o Peñarol, nesta quarta-feira. Jogadores dos dois times entraram em conflito e nas arquibancadas, torcedores adversários também brigaram ao fim da vitória alviverde por 3 a 2, pela Copa Libertadores.

Em entrevista ao canal Fox Sports ao fim do jogo o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, criticou a organização. "Foi lamentável. Espero realmente que a Conmebol analise e tome providência. Não havia policiamento para os nossos torcedores. Vem falar que a torcida do Palmeiras é violenta? Não tinha policiamento para proteger os torcedores. Não estou defendendo A ou B, mas é necessário segurança em um jogo de futebol. Não houve isso aqui", disse o dirigente.

Galiotte atacou o Peñarol, pois segundo ele funcionários do clube fecharam o portão de acesso ao vestiário e fizeram com que os jogadores do Palmeiras não conseguissem fugir da briga que se iniciava no gramado. "Teríamos uma tragédia aqui hoje. Os portões foram fechados. Dirigentes do Peñarol conversaram comigo e disseram que foi uma questão de segurança. Os jogadores iriam morrer lá dentro. Temos de preservar a vida das pessoas. São atletas profissionais. Esperamos que a Conmebol seja rigorosa, que tenha policiamento", afirmou.

O diretor de futebol, Alexandre Mattos, defendeu o volante Felipe Melo, que deu um soco ao tentar fugir do cerco dos uruguaios. "Se ele não se protege virando a mão ali ia acontecer uma tragédia. Eles acharam que era MMA e virou essa palhaçada", criticou. Segundo o dirigente, o Palmeiras conseguiu evitar uma confusão maior por ter reforçado a quantidade de seguranças levados ao Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.