Palmeiras, com ajuda, ganha da Ponte

O Palmeiras deu o primeiro passo dos três programados pelo técnico Emerson Leão neste final de primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Derrotou a Ponte Preta, por 2 a 1, nesta quarta-feira, no Palestra Itália, e chegou aos 28 pontos. Leão segue invicto no comando do time, após sete partidas. A Ponte somou a terceira derrota consecutiva. "Estamos chegando devagarinho", disse o meia Juninho, se referindo aos líderes do campeonato.O Palmeiras começou com uma forte marcação na saída de bola da Ponte Preta, mas pecava na armação das jogadas. Marcinho não se movimentava, enquanto Juninho ficava longe da área do goleiro Lauro. Desta forma, a equipe de Leão só conseguia levar perigo ao time de Campinas nas cobranças de escanteio, por intermédio das cabeçadas do zagueiro Daniel ou com chutes de longe. A melhor jogada foi uma tabela de Marcinho com Correia, mas o lateral errou o alvo.A Ponte Preta só tinha uma jogada. Concentrar suas forças na lateral-direita em cima de Fabiano. O lateral-esquerdo palmeirense, além de não apoiar o ataque, também esteve mal na marcação. A Ponte só não teve sucesso, pois o ataque falhou nas finalizações.O equilíbrio só foi quebrado aos 35 minutos, quando o juiz Rodrigo Martins Cintra viu Galeano agarrar Gioino dentro da área. "O zagueiro me puxou", disse Gioino. Pênalti duvidoso, que Marcinho não desperdiçou. Foi o 11.º gol do atacante no campeonato.No segundo tempo, Leão trocou Reinaldo por Roger e Warley por Washington. A Ponte voltou tocando mais a bola e nos dez primeiros minutos tomou conta do jogo. Rissut e Danilo, com chutes de longa distância, obrigaram o goleiro Sérgio a fazer boas defesas.O Palmeiras só reequilibrou a disputa, após Roger e Marcinho Guerreiro acertarem a marcação no meio-de-campo. Gioino, que perdeu um gol denro da pequena área da Ponte, se estava mal na finalização, pelo menos fazia bem o trabalho de pivô à frente da defesa da Ponte. Foi em uma tabela com o argentino, que Roger quase fez o segundo gol do Palmeiras.Percebendo que estava sendo dominado, Zetti fez duas alterações. Isaías e Luciano Santos deram mais velocidade ao ataque campineiro, que não chegava a incomodar Sérgio.O jogo era disputado, mas as defesas não davam espaço para a criação dos atacantes. O Palmeiras aproveitou um lance de bola parada para marcar o segundo, por intermédio de Gioino, que mantém a média de um gol nos últimos três jogos.Mas nem deu para o Palmeiras comemorar. Correia meteu a mão na bola na saída de bola. Kahê cobrou o pênalti e diminuiu para a Ponte, que não teve força para buscar o empate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.