Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras confia em elenco 'rodado' para estreia na Copa Libertadores

Alviverde enfrenta o Junior Barranquilla, na Colômbia, mas já pensa longe: com grupo experiente, se sente pronto para lutar pelo título

Ciro Campos e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2019 | 04h30

O Palmeiras estreia na Copa Libertadores nesta quarta-feira com um elenco cada vez mais experiente e cascudo no torneio. Do grupo de 30 inscritos, apenas cinco não disputaram a competição, mas possuem rodagem em outras disputas internacionais. Com esse cacife, a equipe que enfrenta o Junior Barranquilla, às 21h30, fora de casa, tem a missão de ir melhor nesta edição do que na anterior, quando parou na semifinal diante do Boca Juniors.

“É o torneio mais importante do continente e a equipe está tranquila. Os companheiros sabem que a Libertadores é importante. Os jogadores estão tranquilos porque todos têm experiência de ter jogado torneios internacionais. Isso é muito importante neste momento”, disse o zagueiro Gustavo Gómez.

Entre os atletas que ainda precisam de rodagem na Libertadores estão os atacantes Carlos Eduardo e Arthur Cabral. Já Felipe Pires nunca participou do torneio, mas jogou a Liga Europa. Outros dois jogadores estiveram em partidas da Copa Sul-Americana, que tem estilo de jogo parecido com o da Libertadores: Zé Rafael (Bahia) e Raphael Veiga (campeão pelo Athletico Paranaense no ano passado).

O grupo do Palmeiras é cascudo. Quatro atletas já levantaram a taça da Libertadores. O primeiro foi Edu Dracena, que era o capitão do Santos no título de 2011. Em 2013, Marcos Rocha foi vencedor na lateral do Atlético-MG. E a dupla de estrangeiros Guerra e Borja foi campeã em 2016 pelo Atlético Nacional, de Medellín. Na ocasião, o venezuelano Guerra foi eleito o craque da edição.

No restante do elenco, todos jogaram e ganharam experiência para este ano. É um trunfo inegável do Palmeiras para sua estreia diante de uma equipe perigosa e que também conta com atletas rodados. Mesmo fora de casa, Felipão promete não abrir mão de seu esquema e pretende pressionar o adversário para tentar voltar para casa com os primeiros três pontos.

Nos últimos anos, o Palmeiras foi ganhando “milhagem” no torneio sul-americano. Tanto que é sua quarta participação consecutiva na disputa. Em 2016, o time acabou caindo na fase de grupos. No ano seguinte, foi eliminado nas oitavas de final, perdendo para o Barcelona, do Equador. Na última edição, amargou derrota para o Boca Juniors na semifinal. Agora, a expectativa é que chegue mais longe e volte a festejar o título, como ocorreu em 1999, em sua única conquista da disputa.

A principal baixa do Palmeiras hoje é o zagueiro Luan, que sofreu estiramento muscular na coxa esquerda e nem viajou com o grupo. “Ele é um grande jogador, uma grande pessoa também. Infelizmente se machucou, mas isso faz parte. Espero que ele se recupere rapidamente. O Palmeiras tem um grande elenco”, disse Gómez.

O Junior Barranquilla aposta em uma exibição melhor do que na edição anterior, quando também teve o Palmeiras em seu grupo e acabou sendo derrotado nas duas vezes, por 3 a 0 e 3 a 1. “Com certeza será um jogo complicado, mas vamos tentar fazer o possível para obter a vitória em casa e seguir sonhando com o título da Libertadores”, avisou o volante Víctor Cantillo, ciente do clima de revanche para o duelo na estreia.

RECORDE

Luiz Felipe Scolari vai igualar na partida desta quarta-feira, diante do Junior Barranquilla, uma marca importante: ele será o treinador brasileiro, ao lado de Muricy Ramalho, com mais partidas na Copa Libertadores. O comandante do Palmeiras atingirá a marca de 65 jogos na carreira pela principal competição sul-americana.

Felipão começou sua caminhada na Libertadores em 1995, quando comandava o Grêmio. Acabou sendo campeão e iniciou uma trajetória de especialista no torneio. Tanto que, das seis edições em que esteve à frente de algum time na disputa, em quatro delas ele chegou no mínimo à semifinal – foi campeão também em 1999, pelo Palmeiras.

O treinador gaúcho é ainda quem mais comandou o Palmeiras no torneio da Conmebol (34 vezes), à frente de Vanderlei Luxemburgo, que esteve com o time em 20 oportunidades. Entrando para sua sétima edição, Felipão vive a expectativa de repetir o feito de 20 anos atrás.


FICHA TÉCNICA:

Junior Barranquilla: Sebastián Viera; Marlon Piedrahíta, Luis Narváez, Willer Ditta e Gabriel Fuentes; Enrique Serje, Victor Cantillo, Fabián Sambueza, Matías Fernández e Luis Díaz; Teo Gutiérrez. Técnico: Luis Fernando Suárez.

Palmeiras: Weverton; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Gustavo Gómez e Victor Luis; Felipe Melo, Bruno Henrique e Ricardo Goulart; Carlos Eduardo, Dudu e Borja. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Juiz: Daniel Fedorczuck (Uruguai).

Local: Metropolitano Roberto Meléndez.

Horário: 21h30.

TV: Globo e FOX Sports.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.