Palmeiras confia na força do Palestra

Foi-se o tempo em que jogar no Palestra Itália era um problema para o Palmeiras. Com o melhor aproveitamento como mandante neste Brasileirão, o time alviverde recebe nesta quinta-feira o Coritiba, às 20h30, tentando provar mais uma vez que a pressão da própria torcida é coisa do passado e que, atualmente, o time é quase imbatível dentro do Parque Antártica. "Vencer em casa é obrigação", diz o técnico Emerson Leão.Mas nem sempre foi assim. Ano passado, com Estevam Soares, o time palmeirense não conseguia se impor no Palestra. Até conquistava resultados expressivos fora de casa, mas não emendava uma seqüência de vitórias em seu estádio, o que causava a ira de sua torcida. Mesmo antes de a bola rolar os torcedores já pegavam no pé de alguns jogadores, como o lateral-esquerdo Lúcio e o meia Diego Souza. Pressionado, o time foi derrotado em jogos considerados fáceis em momentos cruciais do campeonato nacional do ano passado, perdendo assim a chance de chegar ao título da competição.Os números mostram que a história mudou. O aproveitamento do Palmeiras como mandante neste Brasileirão é de 75%. E boa parte desse número se deve ao próprio Leão. Desde que o técnico assumiu a equipe, no final de julho, o time alviverde ganhou todos os quatro jogos que disputou no Estádio Palestra Itália. Leão só não tem 100% como mandante porque empatou um jogo com o Atlético Paranaense no Pacaembu, numa partida com portões fechados. "É nossa obrigação ganhar todas em casa. Fora, podemos até perder. Mas em casa, não podemos pensar nem em empatar", afirma o xerifão Gamarra.Sobre o adversário desta quinta - que não vence o Palmeiras no Palestra desde 1998 -, Leão exige atenção. O time do técnico Cuca vem de derrota para o Santos (2 a 0) e está a apenas três pontos do Palmeiras. "O Coritiba é um time que apresenta alguns momentos bons, depois perde e aí volta a se recuperar. É um jogo perigoso", diz o treinador palmeirense.Para o jogo desta noite, Leão não poderá contar com o volante Reinaldo e o atacante Warley, machucados. O argentino Gioino, que passou dez dias sem treinar por causa de entorse no joelho direito, se recuperou, treinou nesta quarta e foi relacionado para se concentrar para a partida, assim como o colombiano Muñoz, que não joga desde junho do ano passado, por causa de duas cirurgias no joelho esquerdo. Só um dos dois, porém, deve ir para o banco de reservas, e as maiores chances são de Gioino. Sem muitos atacantes à sua disposição, Leão deverá escalar "os três porquinhos" (Juninho, Pedrinho e Marcinho), com Washington como centroavante.Durante a última semana, o técnico fez vários testes na equipe. Chegou a escalar Cristian e Diego Souza como titulares, deixando Juninho e Pedrinho no time de baixo. "Já foi avisado ao grupo que eu não jogo apenas com 11 titulares. Quero ver todos espertos", diz Leão. "Eles (os jogadores) sabem que, a qualquer momento, posso mudar radicalmente a equipe."Apesar do susto, Pedrinho e Juninho devem começar como titular. Diego Souza, que volta ao time após frustrada passagem pelo futebol japonês, fica no banco de reservas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.