Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Palmeiras conquista a América em 1999, em ano libertador do clube

Com uma equipe cheia de talentos e contra adversários gigantes, o Palmeiras celebrou a conquista de um dos seus maiores títulos

Daniel Batista, Diego Salgado, Gustavo Zucchi, Glauco de Pierri, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2014 | 06h00

Entre tantos títulos conquistados por inúmeros esquadrões do Palmeiras, a Copa Libertadores de 1999 pode ser considerada como a de maior carga dramática para o clube. No torneio, a equipe dirigida por Luiz Felipe Scolari caiu em um grupo difícil, perdeu seu goleiro titular e viu o reserva surgir com força e ser decisivo no torneio, precisou eliminar rivais brasileiros em disputas acirradíssimas, passou por um gigante argentino e só conseguiu soltar o grito de campeão após passar pelo purgatório de uma decisão por pênaltis em seu estádio.

A maior competição das Américas ainda começava com quatro times de dois países na primeira fase. Assim, Palmeiras, o campeão da Copa do Brasil do ano anterior, e Corinthians, que faturou o Campeonato Brasileiro de 1998, caíram no grupo 3, junto com os paraguaios Olímpia e Cerro Porteño. Logo no primeiro jogo, num sábado à tarde, vitória do Alviverde por 1 a 0, gol do lateral-direito paraguaio Arce.

Entre idas e vindas ao Paraguai, o Palmeiras perdeu o segundo jogo contra o Corinthians na fase de grupos por 2 a 1 e se classificou às oitavas de final em segundo. Nessa fase, o time iria enfrentar o temível Vasco, campeão da América em 1998 e que estreava na competição. No primeiro jogo, no Palestra Itália, empate em 1 a 1 – Oséas fez o gol do Verdão. No jogo de volta, no dia 21 de abril de 1999 em São Januário, o Palmeiras venceu por 4 a 2 de virada, com gols de Paulo Nunes, Alex (2) e Arce.

O maior rival estava no caminho. Em dois jogos, Palmeiras e Corinthians decidiriam quem iria para a semifinal. Na primeira partida, o Verdão venceu por 2 a 0, gols de Oséas e Rogério, em um jogo onde o goleiro Marcos começou a fazer por merecer o apelido de Santo.

Na segunda partida, vitória alvinegra por 2 a 0 no tempo normal. Nos pênaltis, os palmeirenses Arce, Evair, Rogério e Zinho fizeram seus gols, enquanto que Dinei mandou no travessão e Marcos defendeu a cobrança de Vampeta. Depois do jogo, o goleiro falou sobre a importância das defesas. “Senti a mão de Deus em cada defesa que fiz. Ele é o grande responsável por esse momento, junto com meus companheiros.”

Na semifinal, o Palmeiras teria pela frente o River Plate. Em Buenos Aires, mais uma vez Marcos defendeu tudo – ou quase tudo. A vitória argentina por 1 a 0 não refletia o que havia sido o jogo. No Palestra Itália, na volta, um show do Alviverde. Em noite de Alex, que fez dois gols, o Palmeiras massacrou o River, venceu por 3 a 0 e foi para a final como o grande favorito.

Na decisão, encarou o Deportivo Cali, da Colômbia. Na ida, derrota por 1 a 0. O jogo de volta contou com 32 mil pessoas no Palestra Itália – isso de forma oficial, por que depois do jogo milhares de ingressos falsos foram descobertos nas catracas, o que levou a diretoria do Palmeiras, na época, a especular que mais de 36 mil torcedores tenham assistido a vitória por 2 a 1 no tempo normal, gols de Evair e Oséas, e a vitória por 4 a 3 nos pênaltis, depois de começar a decisão com Zinho desperdiçando sua cobrança.

A festa se espalhou pela cidade em uma comemoração única, lembrada com carinho até hoje por todo palmeirense. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.