Palmeiras contará com Magrão na quarta

O volante Magrão, que perdeu três dentes após um choque com o lateral-esquerdo Zé Carlos, do São Caetano, sábado, no ABC, já está com a dentição completa outra vez. O jogador recebeu três dentes provisórios, mas vai ter de continuar o tratamento por dois a três meses, segundo o cirurgião-dentista Antonio Jorge, que o atendeu ainda no sábado.Magrão ficou três horas na cadeira para recuperar o pivô anterior e corrigir duas fraturas de raiz. O jogador palmeirense voltou para casa, em Higienópolis, no começo da madrugada de domingo, e passou o resto do fim de semana descansando. Cancelou até a sua participação no desfile da Mancha Alviverde, na madrugada desta segunda-feira. Mas a principal notícia é boa: Magrão está liberado para enfrentar o União São João, quarta-feira, em Araras.Neste domingo, depois de rever o lance pela tevê, Magrão não absolveu Zé Carlos. O volante palmeirense concluiu que o adversário poderia ter abaixado o braço na disputa de bola, se quisesse. Por isso mesmo, não vai perdoá-lo. Ainda fez um novo desabafo."Se fosse eu, o Fábio Costa ou o Luís Fabiano que tivesse arrancado três dentes da boca de um adversário, o mundo cairia de pau em cima da gente. Afinal, somos os bad boys, não é mesmo? Agora, quando somos nós que sofremos com a violência dos outros, é tudo normal", queixou-se Magrão.Antes de deixar o estádio Anacleto Campenella, no sábado, Magrão saiu à procura de Anselmo da Costa. Ele queria mostrar ao árbitro o estado de sua boca. O volante, porém, não quis revelar as razões dessa preocupação. Magrão também não disse se pretende processar Zé Carlos. Mas fez questão de enviar um recado para quem concluir que a jogada foi normal. "Quem perdeu três dentes fui eu.?Magrão prometeu estar na Academia nesta segunda-feira, às 16 horas, com o resto do grupo. O jogador disse que pretende treinar normalmente e quer jogar na quarta-feira, em Araras. Antes, porém, Jair Picerni quer ouvir a palavra do médico palmeirense ou do próprio dentista. Outra preocupação do técnico do Palmeiras é com o ataque. Ele entende que o time perdeu muitos gols contra o São Caetano porque saiu de suas características. "Especialmente nos 15 minutos finais, quando bateu o desespero, alçamos bolas demais sobre a área deles. Não é por aí", avaliou.Apesar da derrota, Jair disse que o time foi bem e merecia um resultado melhor. "Perdemos muitas chances. Jogamos o suficiente para conseguir ao menos um empate", afirmou o treinador. Por isso mesmo, ele está tranqüilo em relação ao futuro do Palmeiras no Campeonato Paulista. "Não há motivos para desespero."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.