Palmeiras critica reclamação do São Paulo sobre Salvio

O gerente de futebol do Palmeiras, Toninho Cecílio, disse respeitar, mas considerou exagerada a atitude do São Paulo de protestar contra a escalação de Salvio Spínola para apitar o clássico paulista. "É um grande árbitro, de capacidade condizente com o nível do jogo", disse. "E muita gente disse, na época, que o lance (gol anulado de Adriano, no 0 a 0 com o Corinthians, no Paulistão) foi duvidoso. Não foi aquele erro crasso", observou. "E para mim, um lance muito bem anulado."Toninho Cecílio não admite pressão sobre a arbitragem como forma de definir o resultado. "Jamais o Palmeiras vai tolerar esse tipo de coisa. E confio numa grande partida, definida sem interferência do Salvio no resultado. Ele tem capacidade de assimilar (as reclamações) e personalidade para fazer um grande jogo", acredita. O dirigente palmeirense fez questão, ainda, de citar alguns lances nos quais seu clube acabou prejudicado pela arbitragem contra o São Paulo. "Ano passado, fomos alijados da disputa do título após um gol mal anulado do Max diante do São Paulo", cutucou. Com gol de Jorge Wagner, no fim, o Alviverde caiu, por 1 a 0 e o rival partiu firme para a conquista do Brasileirão. O árbitro era Djalma José Beltrami. "Também quase ficamos fora da decisão Paulista após sofrer um gol de mão do Adriano", lembrou.A bronca de Toninho Cecílio se estendeu a André Krieger, vice-presidente de futebol do Grêmio. O dirigente gaúcho acusou o STJD de beneficiar o Palmeiras. "Estou cansado de ver o Krieger falando do Palmeiras. Tem de ter ética, respeito. Se seu clube está na frente é por competência do Celso Roth, da diretoria", disparou. "Eu não fico falando dos jogadores dele e pela primeira vez no Brasileiro, vi uma decisão que beneficiasse um clube, com três jogadores absolvidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.