Palmeiras culpa Copa do Brasil por redução de público

O número de torcedores do Palmeiras presente nas duas últimas partidas do time tem decepcionado. Os jogadores do time admitem que a eliminação na Copa do Brasil afastou o público do Pacaembu, mas pedem para a derrota diante do Atlético-PR ser esquecida e contam com o retorno do apoio das arquibancadas.

CIRO CAMPOS, Agência Estado

12 de setembro de 2013 | 11h29

No jogo de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil, 20,8 mil torcedores estiveram presentes no Pacaembu. Depois da queda na competição, o público se reduziu a cerca de um terço. O Palmeiras fez dois jogos em São Paulo desde que foi eliminado com a derrota por 3 a 0 em uma atuação muito ruim em Curitiba. Contra a Chapecoense, na decisão do título simbólico do primeiro turno, e diante do ASA, na última terça-feira, foram cerca de 8,7 mil torcedores presentes em cada confronto.

"Acabou acontecendo a eliminação na Copa do Brasil e houve uma queda, mas tenho certeza de que a partir de agora a torcida vai começar a ir para o estádio", afirmou o volante Wendel, que aposta nas boas atuações nas vitórias por 3 a 1 diante do Atlético-GO e 3 a 0 no ASA como atrativo para o público.

Porém o reencontro do Palmeiras com o Pacaembu vai demorar um pouco. O time viaja para dois jogos fora de casa - América-MG, em Belo Horizonte, e Avaí, em Florianópolis - e se retorna a atuar em São Paulo no dia 21, quando recebe o Sport.

A expectativa é para receber público parecido com o jogo contra o Paraná, quando 29 mil pessoas presenciaram a vitória de virada por 2 a 1. "O torcedor sentiu o baque porque tinha a esperança de chegar à final da Copa do Brasil. É normal e também sentimos muito. Mas conhecemos o palmeirense e sabemos que daqui a pouco isso passa", disse o meia Serginho.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasSérie B

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.