Marcos Bezerra|Futura Press
Marcos Bezerra|Futura Press

Palmeiras decepciona e Audax vence 1ª contra um grande

Sem coesão, Alviverde sofre segundo revés seguido

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

20 de março de 2016 | 20h46

O torcedor mais desavisado apostaria que o Palmeiras havia jogado de vermelho ontem e não cinza. O Osasco Audax não teve grandes dificuldades para vencer o desorganizado time alviverde por 2 a 1, no estádio Prefeito José Liberatti, em Osasco. 

O momento é delicado para o Palmeiras. Não apenas pela derrota, mas pela situação global. O time vive de lampejo que quando acontece, cria-se a falsa expectativa de que “agora vai” e no jogo seguinte os problemas voltam, muitas vezes até maiores. Neste domingo, não foi diferente. O gol de Barrios, apesar da fraca atuação da equipe, encheu o torcedor de esperança e foi só. 

Cuca comandou o time pela segunda vez e o que resta ao torcedores é acreditar que ele ainda conseguirá dar um jeito no time. Afinal de contas, desde que chegou ao clube conseguiu dar apenas dois treinos com todo o grupo e ainda há tempo para corrigir os erros.

 

Foi daqueles dias em que todos cometeram erros e quase nada deu certo. Cuca colocou Zé Roberto e João Pedro nas laterais e deixou uma avenida para o Audax explorar. No meio, Gabriel e Arouca ainda estão longe de ser aqueles jogadores que agradaram no passado, assim como Robinho. 

Até a tática muitas vezes chamada de “suicida” do técnico Fernando Diniz, de tocar a bola mesmo quando é pressionado, deu certo pela primeira vez em um jogo contra um time grande do estado. O Audax nunca havia vencido um jogo em que o adversário era Palmeiras, Corinthians, São Paulo ou Santos. Foram sete jogos no total, sendo dois empates e cinco derrotas.

Cuca chegou ao Palmeiras prometendo buscar o quanto antes o time ideal. O que talvez ele não tivesse percebido é que sua missão pode ser muito mais complicada do que parecia. Seja com ele no banco, Marcelo Oliveira ou Oswaldo de Oliveira, seus antecessores, a postura dos atletas, na maioria dos jogos, é a mesma. Desorganização e nervosismo em excesso.

Isso ficou evidente do início ao fim da partida. Tanto que logo aos dez minutos, o veterano Zé Roberto, que a cada jogo cai ainda mais de rendimento, ao tentar cortar uma bola na área, chutou Velicka e cometeu pênalti, batido com perfeição pelo lateral-esquerdo do Audax. 

Nem mesmo o placar adverso mexeu com os brios do time alviverde, que até se aventurou ao ataque, mas com os repetidos lançamentos sem qualquer organização. 

O Audax só se deu ao trabalho de esperar e no primeiro espaço, ampliou a vantagem. Aos 33, Camacho fez bela tabela com Ytalo, entrou como quis na área e bateu na saída de Fernando Prass. 

NO DESESPERO

No intervalo, Cuca adotou a tática repetida contra o Nacional-URU, no jogo passado, e mandou o time para o ataque. Colocou Barrios no lugar de Alecsandro e Rafael Marques na vaga de Gabriel. Depois, colocou Erik no lugar de Gabriel Jesus. Um fio de esperança aos 32. Barrios, que entrou bem,  aproveitou rebote da defesa e descontou no goleiro Cidão, que havia acabado de entrar no lugar de Felipe Alves, machucado. Dudu, em seguida, perdeu boa chance. A equipe de cinza se empolgou e partiu para cima, mas com aquela conhecida desordem. E assim, o Palmeiras mais uma vez decepcionou.

FICHA TÉCNICA

Gols: Velicka, aos 10, Camacho, aos 33 do 1º T; Barrios, aos 32 do 2º T. 

OSASCO AUDAX (4-3-3): Felipe Alves (Cidão); Francis, André Castro (Gabriel Nunes), Bruno Silva e Velicka; Tchê Tchê, Camacho e Juninho (Márcio Diogo); Mike, Ytalo e Bruno Paulo. Técnico: Fernando Diniz

PALMEIRAS (4-5-1): Fernando Prass; João Pedro, Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel (Rafael Marques), Arouca, Robinho, Dudu e Gabriel Jesus (Erik); Alecsandro (Barrios)  

Técnico: Cuca 

Juiz: Vinicius Furlan.

Cartões amarelos: Gabriel Jesus, Edu Dracena, João Pedro e Bruno Paulo 

Público: 9,391 pagantes.

Renda: R$ 216.945,00

Local: Prefeito José Liberatti, em Osasco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.