Palmeiras: demissões ameaçam médicos

Depois do técnico Candinho e do preparador físicos Moracy Sant?Anna, cujas cabeças rolaram na terça e na quarta-feira, agora são os médicos Fúlvio Rossetti e Vinícius Martins que estão na alça de mira da diretoria. O desafio da cúpula é mexer no departamento sem arranhar a imagem dos dois. Uma parte da diretoria entende que demiti-los sumariamente seria uma atitude extremamente antipática. Por isso, a saída deve mesmo ser a ?fritura?, que, aliás, começou nesta quinta-feira. ?O Palmeiras está à procura de um chefe para o departamento médico. Alguém com mais experiência, com mais vivência no mundo do futebol, mais por dentro da malandragem. E, claro, com capacidade também para avaliar os dois (Flávio Rossetti e Vinícius Martins)?, revelou o vice-presidente José Cyrillo Júnior, homem da mais alta confiança do presidente Afonso Della Monica. Por enquanto, a diretoria ainda não tem a menor idéia de qual será o profissional a ser procurado. Mas já há alguém com um perfil adequado: Joaquim Grava, ex-médico do Corinthians. ?O Palmeiras precisa de alguém tipo o doutor Joaquim Grava. Até citamos o nome dele na reunião de diretoria, mas não será ele o homem. Primeiro porque está voltando para o Corinthians. E depois, porque a sua imagem está muito enraizada com o Corinthians?, detalha o dirigente. A idéia do clube é ter alguém que não se deixe ser ludibriado. Cyrillo não chega a sugerir que algum jogador do elenco tem por hábito ?enganar? os médicos, mas deixou isso explícito nas entrelinhas. ?A gente está pensando no dia-a-dia, naquela coisa que só quem é experiente saber resolver. Vocês sabem como a coisa funciona?. Na mesma entrevista, o dirigente aproveitou a chance para responder às críticas feitas pelo preparador físico Moracy Sant?Anna e pelo técnico Candinho. Moracy disse que falta estrutura ao Palmeiras e que os equipamentos ?estão sucateados?. E Candinho afirmou que o treinador e os jogadores não têm respaldo da diretoria. ?Já que o Moracy não foi muito correto com a gente, eu também vou dizer que nós não estávamos nada satisfeitos com ele. Se não tivesse se demitido, o Palmeiras o demitiria. Quem esteve no ABC, terça-feira, viu: o Palmeiras andou em campo. Aliás, o time não estava correndo há muito tempo?, retrucou Cyrillo. A resposta a Candinho também foi direta. ?O Candinho criticou tanto o grupo, mas quando pedimos que ele indicasse nomes para o Palmeiras contratar, ele não nos deu nenhum. E ainda perguntava: quem vocês me oferecem??. Para confirmar, citou o caso de Gamarra. Segundo José Cyrillo, foi a Comissão Técnica (Candinho) que não aceitou o zagueiro. ?Ele (Candinho), queria alguém que estivesse jogando. E na época, o Gamarra de fato não estava jogando na Inter de Milão. Mas o negócio ainda não morreu?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.