Palmeiras deposita esperanças em Diego Souza

Palmeiras deposita esperanças em Diego Souza

Meia estará de volta ao clube no confronto diante do Cruzeiro, no Mineirão no próximo dia 23

Juliano Costa, Jornal da Tarde

15 de setembro de 2009 | 10h21

A derrota por 3 a 2 para o Vitória em Salvador deixou claro que o Palmeiras depende muito de Diego Souza - esta é uma opinião do próprio treinador da equipe, Muricy Ramalho.

 

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Segundo o técnico, "não tem outro jogador no elenco com as características de Diego e o time sente muito a ausência dele."

 

Foi o segundo jogo do Palmeiras no Brasileirão sem Diego Souza. E a segunda derrota. A primeira havia sido contra o Coritiba, mês passado. Foram esses os dois únicos resultados negativos de Muricy no Verdão.

 

O time ainda lidera, mas já não tem mais gordura pra queimar. Está com 44 pontos, só um a mais que Inter e São Paulo, e tem uma pedreira pela frente - o Cruzeiro no Mineirão, dia 23.

 

Menos mal que Diego Souza estará de volta. O meia sabe de sua importância para a equipe. Ele desempenha um papel tático que varia durante o jogo (veja campinho na página ao lado) e é a voz de liderança no setor ofensivo, assim como Marcos e Edmílson são para a defesa.

 

Questionado sobre a principal diferença entre o elenco alviverde e o de seus dois maiores rivais pelo título - Inter e São Paulo -, o meia reconhece que "falta experiência" para os reservas do Palmeiras. Nenhum jogador que poderia ser escalado em seu lugar tem mais de 22 anos - veja quadro abaixo. Por isso, é comum Muricy fazer improvisações ou alterar o esquema tático a apostar em Deyvid Sacconi, em tese o substituto natural para Diego.

 

E apesar de estar com apenas 24 anos, o camisa 7 já é apontado como um jogador experiente. Ele participa da sua sétima edição de Brasileiro, a segunda pelo Palmeiras. Antes, disputou três pelo Fluminense (2003 a 2005), uma com o Flamengo (2006) e outra com o Grêmio (2007). Tem também uma passagem relâmpago pelo Benfica de Portugal (entre 2006 e 2007) no currículo.

 

Com a chegada de Vagner Love, Muricy espera que o atacante atraia as atenções dos zagueiros adversários e Diego ganhe espaço, principalmente pela direita - o técnico queria que Edno fizesse a mesma função na esquerda, mas o jogador da Lusa foi para o Corinthians.

 

Sem o reforço, Muricy e a torcida rezam para que nada de mal aconteça com Diego. "Se não tivermos jogadores machucados, somos candidatos ao título", diz Muricy, batendo na madeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.