Palmeiras derrota Bragantino e encara Ituano na semifinal do Paulistão

Kardec e Wesley garantem os 2 a 0 em noite de vitória tranquila no Pacaembu

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2014 | 23h00

SÃO PAULO - Com uma vitória incontestável e muitos hematomas, tamanha violência do adversário, o Palmeiras derrotou o Bragantino por 2 a 0 no Pacaembu e está classificado para a semifinal do Paulistão. O Alviverde não se intimidou com as faltas, a forte marcação do adversário e venceu sem passar grandes sustos.

Classificado, enfrenta o Ituano no domingo, às 18h30, novamente no Pacaembu, onde derrotou o time de Itu na primeira fase do campeonato por 1 a 0 – gol de Alan Kardec, que mais uma vez fez o seu gol e ainda deu passe para o de Wesley.

O Palmeiras começou a partida como um time grande deve se portar diante de um pequeno. Foi para cima, acuando o adversário em todos os lados do campo, sem deixar a defesa adversária respirar. Wesley fez a equipe jogar com velocidade e Alan Kardec se movimentou bastante. O Bragantino respondeu com violência. O time de Bragança cansou de fazer faltas de tudo quanto foi jeito, justamente como Gilson Kleina disse que seria o jogo.

Tanta pressão surtiu efeito. Aos 21 minutos, após o Palmeiras chutar pela primeira vez de fora da área, com Bruno César, Wesley cobrou escanteio, Guilherme tentou cortar a bola, mas ajeitou para Alan Kardec, em cima da linha, mandar para as redes e abrir o placar.

O gol deu a impressão de que seria uma vitória fácil, sem sustos, como mandava o roteiro. A torcida fazia uma bonita festa na arquibancada e pedia o segundo gol para ter ainda mais tranquilidade, mas o que se viu foi o oposto. O Alviverde perdeu o ímpeto de atacar, deixou o Bragantino sair da defesa e as tabelas e passes certeiros foram esquecidos.

O time passou a errar muitos passes e deixou de chutar ao gol. Com tantos erros, deu o contra-ataque para o adversário. A sorte é que o Bragantino é um time pesado e que também errava demais, por isso quase não levou perigo ao gol de Fernando Prass.

No segundo tempo, o Palmeiras voltou a ser aquele dos primeiros minutos de jogo: ligado, esbanjando vontade e com toques rápidos. O Bragantino continuou a bater e a tentar arrumar confusão.

O dono da casa resolveu responder na bola e mostrou entrosamento para ampliar a vantagem. Aos 17, Valdivia desarmou, tocou para Wendel, que cruzou rasteiro para a área. Leandro tentou chutar, o goleiro defendeu, a bola sobrou para Alan Kardec que, tranquilo, tocou para Wesley encher o pé e marcar o segundo.

CONFUSÃO

Logo depois do gol, uma confusão quase estragou a festa. Alegando que Valdivia foi agredido, Wesley foi tirar satisfação com Geandro e o árbitro Flávio Rodrigues Guerra deu apenas cartão amarelo para o volante do Bragantino.

Vendo que o juiz não estava disposto a coibir a violência, o time do interior passou a bater ainda mais, principalmente em Valdivia. O Alviverde conseguiu manter os nervos no lugar, evitou perder alguém por uma expulsão boba e ainda colocou o adversário na roda.

Os palmeirenses tocaram a bola com tranquilidade, deixando o tempo passar. Em determinado momento, o time ficou quase dois minutos batendo bola sem que o adversário tocasse nela. A zebra passou longe do Pacaembu e a torcida deixou o estádio orgulhosa com, como diz o presidente Paulo Nobre, "sangue na veia" dos jogadores.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 x 0 BRAGANTINO

PALMEIRAS - Fernando Prass; Wendel (Vinícius), Lúcio, Tiago Alves e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley e Valdivia; Bruno César (Eguren), Leandro (Patrick Vieira) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

BRAGANTINO - Rafael Defendi; Alexandre, Guilherme Mattis e Yago; Robertinho, Francesco, Geandro (Diego), Gustavo e Léo Jaime; Magno Cruz (Rodrigo) e Tássio. Técnico: Marcelo Veiga.

GOLS - Alan Kardec, aos 21 minutos do primeiro tempo. Wesley, aos 17 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Francesco, Bruno César, Marcelo Oliveira, Valdivia, Geandro.

ÁRBITRO - Flávio Rodrigues Guerra.

RENDA - R$ 861.105,00.

PÚBLICO - 24.231 pagantes (25.714 no total).

LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.