Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras desafia histórico ruim no Equador para enfrentar o Delfín pela Libertadores

Ainda muito desfalcada, equipe alviverde vai ao país onde tem retrospecto negativo para disputar as oitavas final

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2020 | 05h00

O histórico ruim em jogos no Equador e os desfalques assustam mais o Palmeiras do que o adversário desta quarta-feira, às 19h15, pela partida de ida das oitavas de final da Copa Libertadores. O pequeno Delfín disputa apenas pela terceira vez a competição, vive uma sequência de resultados ruins e não atua na altitude, mas é um sinal de alerta. Equipes equatorianas costumam dar trabalho ao clube alviverde.

Em 2017 e também pelas oitavas de final o favorito Palmeiras caiu diante de um time desse mesmo país. O Barcelona, de Guayaquil, levou a melhor nos pênaltis em pleno Allianz Parque e avançou. Aliás, quase sempre que esteve no Equador o time voltou derrotado. Em toda a história da Libertadores, foram cinco jogos, com quatro derrotas e somente uma vitória, obtida em 1995 diante do Emelec.

Depois de ter enfrentado no passado adversários tradicionais como El Nacional, LDU e Barcelona, o Palmeiras tem um rival equatoriano bem jovem. O Delfín foi fundado há somente 31 anos e disputa pela terceira vez a Libertadores. A equipe jamais tinha se classificado ao mata-mata e na fase anterior foi rival do Santos. O Delfín teve a segunda pior campanha entre os 16 times restantes e avançou à esta fase graças à vitória do próprio Santos sobre o Defensa Y Justicia, da Argentina, com gol nos acréscimos.

O Delfín acumula quatro jogos sem vencer pelo torneio local. O estádio da equipe se chama Jocay e fica em um bairro simples da cidade portuária de Manta. Um dos atletas mais conhecidos é o goleiro Maximo Banguera. Em 2017, pelo Barcelona, ele defendeu o pênalti decisivo de Egídio na disputa contra o Palmeiras. O herói daquela noite tem passagens pela seleção equatoriana e é famoso no país por disputar algumas partidas de boné. 

O Palmeiras chega ao mata-mata com a melhor campanha geral da fase de grupos, mas sem vários dos destaques responsáveis por esse resultado. A maior baixa é o artilheiro do time, Luiz Adriano, com lesão na coxa esquerda. Outros jogadores importantes permanecem fora por causa do surto de coronavírus no time, entre eles o atacante Willian, o meia Raphael Veiga.

O técnico Abel Ferreira deve manter o esquema com três zagueiros utilizado no último sábado, diante do Goiás. A proposta do time será jogar de forma mais cautelosa, explorar os contra-ataques e tentar definir o confronto na próxima semana, no Allianz Parque.

FICHA TÉCNICA

DELFÍN X PALMEIRAS

DELFÍN: Banguera; González, Cangá, Ale e Nazareno; Ortiz, Vélez, Benítez e Corozo; Valencia e Garcéz. Técnico: Miguel Zahzu.

PALMEIRAS: Weverton; Luan, Gómez e Renan; Gabriel Menino, Danilo, Zé Rafael, Patrick de Paula e Mayke; Lucas Lima e Rony. Técnico: Abel Ferreira.

Árbitro: Leodán González (Uruguai)

Local: Estádio Jocay, em Manta (Equador)

Horário: 19h15

Na TV: Fox Sports

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.