Palmeiras: desafios começam hoje

Em uma semana, o Palmeiras pode subir ao céu ou descer ao inferno. Entre hoje e o próximo domingo, serão três partidas bastante difíceis, numa seqüência capaz de embalar e dar grande confiança ao time em caso de sucessos ou, na outra hipótese, desencadear forte crise no Palestra Itália. A série de desafios começa hoje, às 18h10, contra o Cruzeiro, no Mineirão, atinge seu ponto mais importante na quarta, com o duelo decisivo da Taça Libertadores contra o São Paulo, no Morumbi, e encerra-se no dia 29, novamente pelo Brasileiro, com o clássico com o Santos, em São Paulo.Com três vitórias, a semana terminaria com o Palmeiras classificado na Libertadores e perto dos líderes do Brasileiro. Com três derrotas, eliminado do torneio continental e na zona de rebaixamento do Nacional. Hoje, o duelo contra o time mineiro dará o tom da semana palmeirense.Enquanto o Cruzeiro vem de três vitórias seguidas, o Palmeiras não vence há quatro jogos. O técnico Paulo Bonamigo, após a derrota para o São Paulo, na quarta, barrou o volante Marcinho Guerreiro e o zagueiro Gláuber, que vinham mal. Em contrapartida, terá a volta de Magrão e Nen. "Será um muito bom teste para nós, para a quarta-feira. O Cruzeiro tem uma qualidade técnica muito boa, um goleador e dois laterais fortes. Deve ser um jogo mais jogado que o contra o São Paulo, mais veloz, porque o campo é maior", diz o treinador.Com Magrão dando vibração e estabilidade ao meio-campo, o crucial para o Palmeiras hoje - e no resto da semana - será a eficácia do ataque. Nos últimos quatro jogos, apenas um gol foi marcado, e de pênalti. Questionado sobre o que vem faltando para a bola entrar, Bonamigo responde em um palavra: "Entrosamento", afirma, lembrando que os recém-contratados Juninho, Marcinho e Washington pouco jogaram e treinaram juntos. "São as três peças que entraram. O time até está chegando na frente, mas falta o último passe. É esse conjunto que tenho que dar rápido para o Palmeiras."O atacante Marcinho, mais caro reforço palmeirense dos últimos anos (US$ 2,5 milhões por 50% de seu passe), fará sua terceira partida no time e sente que falta justamente uma seqüência de vitórias. "O Palmeiras busca crescer, busca uma arrancada." Seu companheiro de ataque, Washington, aposta em muito papo para que os três homens de frente passem a se entender. "A gente vem conversando bastante, especialmente eu e o Marcinho. O que falta é aproximar a gente e o Juninho", diz. "Com certeza a gente se cobra bastante (pela falta de gols). Não estamos conseguindo andar bem na frente, falta entrosamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.