Hélvio Romero/AE - 24/3/2010
Hélvio Romero/AE - 24/3/2010

Palmeiras descarta chance de abrir mão do atacante Maikon Leite

Clube tem pré-contrato firmado com o jogador do Santos e transferência deve ocorrer no meio do ano

AE, Agência Estado

17 de janeiro de 2011 | 15h12

SÃO PAULO - O Palmeiras descartou nesta segunda-feira a possibilidade do atacante Maikon Leite não se apresentar ao clube no final de junho, quando o atual contrato do jogador com o Santos irá se encerrar. O departamento jurídico do clube ressaltou que fará valer o pré-contrato firmado com o atleta. Assim, se o time da Vila Belmiro quiser manter o atacante, terá que pagar a multa firmada no contrato de Maikon Leite.

"O Palmeiras vai querer contar com o Maikon Leite a partir do mês de junho, prazo em que foi assinado o pré-contrato. Não existe possibilidade alguma do jogador permanecer no Santos, ao não ser que o clube pague a multa estipulada. A quebra desse pré-contrato gera incidência da multa indenizatória estipulada no próprio contrato", afirmou o advogado André Sica.

O Palmeiras ameaçou acionar a Fifa caso o Santos pretenda continuar com Maikon Leite. O atacante foi um dos destaques da equipe na Vila Belmiro na vitória por 4 a 1 sobre o Linense, sábado, pela primeira rodada do Campeonato Paulista. "Caso o Santos insista em influenciar sobre a permanência do atleta, isso pode configurar aliciamento dentro do regulamento da Fifa e gerar punição ao time santista", disse.

Outro lado. O Santos, no entanto, ainda não desistiu de seguir com o atleta depois de junho. O jogador já declarou que pretende ficar na Vila Belmiro, e só teria assinado com o Palmeiras porque a empresa que possui a maior parte dos direitos federativos do atleta está brigada com o Santos e não quis negociar a continuidade do atacante no time alvinegro.

Veja também:

especialCALENDÁRIO - O caminho de cada time

PAULISTÃO - tabela Classificação | listaResultados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.