Palmeiras desiste de renovar com Baiano

O Palmeiras está em busca de um novo lateral-direito para defender o time em 2004. O diretor de Futebol, Mário Giannini, afirmou que o clube considerou encerradas as negociações com Baiano e já faz contatos para trazer outro atleta para a posição. ?Quero deixar bem claro que o Baiano é um profissional sensacional, mas não vamos virar reféns de empresários e por isso decidimos que o contrato não vai ser fechado.? Giannini justificou sua posição afirmando que o custo para manter o jogador seria muito alto e mostrou descontentamento com o representante do atleta, Roberto Tadeu. ?Ele falou para a imprensa que o Baiano havia pedido 20% de aumento quando na verdade a proposta que nos foi feita foi de 45% de aumento mais uma quantia equivalente a cinco meses de salário como luvas. Oferecemos 10% de aumento em relação ao salário desta temporada.? Tadeu, que durante a tarde considerava a negociação ainda em andamento, foi surpreendido. ?Não vou entrar em polêmica ou falar de porcentagem. Se ele (Giannini) preferiu dar valores, é uma questão dele?, declarou. ?Tudo o que posso dizer é que estamos tranqüilos?, disse o representante, que reafirmou a informação de que Baiano tem propostas de outros clubes para analisar. Ao falar sobre o atleta que poderá substituir Baiano, Giannini foi evasivo. ?Não vou comentar nomes. Mas posso dizer que não é o Arce?, afirmou o dirigente, com o objetivo de diminuir as especulações sobre a volta do jogador, que passou a melhor fase da carreira no Parque Antártica e, depois de uma temporada no Japão, manifestou o desejo de voltar. Sobre os outros jogadores em fase de renovação, as perspectivas mais promissoras são do zagueiro Leonardo, cujo contrato termina em fevereiro. ?Ele manifestou a posição de renovar, nós também queremos e, pelo menos para mim é o suficiente?, disse Giannini. O diretor afirmou que ainda não há novidades na questão da renovação com o zagueiro Daniel, o meia Elson e o lateral Lúcio. Pechincha ? As declarações de Giannini com relação a Baiano deixaram claro a postura da diretoria: apesar da satisfação pela volta à Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro, o clube vai manter a posição de outros anos e jogar duro na hora de contratar ou renovar. O presidente Mustafá Contursi chama essa política de ? bom e possível?, com o objetivo de comprometer o menos possível as finanças. Traduzindo para a linguagem comum às donas-de-casa, o clube vai pechinchar em busca do melhor negócio e quer aproveitar o sucesso do grupo comandado por Jair Picerni para conseguir o que quer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.