José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Palmeiras terá de pagar R$ 700 mil por mês para saldar custo de Valdivia

Contrato do meia termina dia 17 de agosto, mas dívida vai até 2016

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2015 | 07h00

Valdivia está deixando o Palmeiras após cinco anos, mas o rastro do chileno ainda permanecerá por alguns meses no clube, pelo menos do ponto de vista financeiro. A contratação do jogador causará despesas ao Palmeiras até o ano que vem, mesmo ele indo embora dia 17 de agosto, quando termina seu vínculo, que não será renovado. Serão R$ 700 mil mensais referentes a um empréstimo bancário ligado à sua aquisição que o clube tem de pagar.

O jogador chegou ao Palmeiras em 2010, vindo do Al Ain, dos Emirados Árabes. Foi contratado pelo então presidente Luiz Gonzaga Belluzzo por 6 milhões de euros (cerca de R$ 14,2 milhões na época). A dívida foi aumetando até bater na casa dos R$ 36 milhões, que é quanto Valdivia custará para o clube nessa sua segunda passagem. O problema é que, para conseguir trazer o chileno de volta, o dirigente contou com a ajuda do conselheiro Osório Furlan, que desembolsou 2 milhões de euros, ficando com 36% dos direitos econômicos do atleta. Ele ainda pegou carta de crédito do banco Banif. 

Furlan saiu no prejuízo e ficará de mãos abanando, já que o meia foi para o Al Wahda sem custos, no término do seu contrato. Quanto ao banco, a maior parte das parcelas não foi paga ainda e Arnaldo Tirone, quando era presidente, acabou refinanciando o valor no fim de 2011. Pouco antes de fazer o acordo com o banco, Tirone chegou a acertar a venda do jogador para o Al Saad, por 8,2 milhões de euros (R$ 19,3 milhões), mas, no momento de assinar o contrato, decidiu manter o chileno no time.

Atualmente, o Palmeiras tem pago cerca de R$ 700 mil por mês de refinanciamento da dívida e as parcelas só vão acabar em meados do ano que vem. O clube vai economizar salário de R$ 400 mil mensais do jogador, que deixará de receber a partir do mês que vem. Em seu retorno ao clube, o chileno se despede com um título da Série B e da Copa do Brasil. E muitas polêmicas. Ele já criticou publicamente dirigentes, teve discussões ríspidas com companheiros, mas também conseguiu se manter como ídolo de boa parte da torcida.

O que mais marcou sua segunda passagem pelo Palmeiras foram as lesões. Ele teve 19 no total. Marcou 17 gols nesse período. O último foi dia 27 de fevereiro do ano passado, na vitória por 2 a 0 sobre o São Bernardo. Valdivia continuará treinando no clube até o dia 17 de agosto. Segundo o presidente Paulo Nobre, isso faz parte do acordo com os representantes do atleta.

SEM SUBSTITUTO

A diretoria já avisou ao técnico Marcelo Oliveira que não pretende contratar um substituto para Valdivia. "Estou satisfeito com o elenco que o Palmeiras tem. Acredito que, com o que temos em mãos, podemos fazer um bom trabalho", disse o técnico, que tentou levar Valdivia duas vezes para o Cruzeiro, sem sucesso. "A minha ideia era que ele ficasse. Seria ótimo. Não sendo assim, vida que segue."

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolValdiviaBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.