Palmeiras: diretoria pede calma a Marcos

A diretoria do Palmeiras sugeriu ao goleiro Marcos que suas opiniões sobre o time fiquem restritas ao próprio grupo. A informação foi revelada pelo 1º vice-presidente José Cirylo Júnior à rádio Globo. De acordo com o dirigente, os diretores de Futebol Mário Gianini e Salvador Hugo Palaia, e o gerente de Futebol Ilton José da Costa Júnior, pediram um pouco mais de calma ao goleiro na hora das entrevistas, principalmente quando o time não vai bem. Marcos não quis saber de conversa com os jornalistas, hoje. O goleiro, aliás, tem se negado a falar com os repórteres de jornais. Ele acusa a imprensa escrita de manipular suas palavras. A informação partiu do assessor de imprensa Primo Ribeiro, que está pensando até em gravar as entrevistas a partir de agora. O assessor de imprensa tem sido muito pressionado pelos atletas. Os dirigente do departamento de Futebol também não estão nada satisfeitos com a interferência de certos conselheiros no departamento de Futebol profissional. Palaia e Giannini estão pensando em dar um ´basta´ nas entrevistas de gente desautorizada a falar pelo clube, quando o assunto é o time profissional. Além de Marcos, vários jogadores estão evitando a imprensa. Magrão, que se recupera de um estiramento no músculo adutor da coxa direita, apareceu no local reservado aos jornalistas, hoje à tarde, mas não quis dar entrevistas. "Pediram para eu não falar", disse o volante, sem revelar de quem partiu o pedido. "Só vou me manifestar na sexta-feira, depois do coletivo". Outro que tem evitado os jornalistas é o lateral-esquerdo Lúcio. Mas hoje, surpreendentemente, ele falou numa boa. Chegou até a dar conselhos aos companheiros que estão preocupados com as críticas da imprensa e da própria torcida. "Depois de tudo o que passei, aprendi uma coisa: o jogador não pode se acovardar diante das críticas. Não pode jogar com medo. Se tiver medo, melhor nem entrar em campo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.