Palmeiras e Boca empatam na Argentina

O Palmeiras conseguiu um bom resultado no primeiro jogo das semifinais da Copa Libertadores da América. Jogando no estádio La Bombonera, em Buenos Aires, a equipe brasileira empatou com o Boca Juniors em 2 a 2. Alex e Fábio Júnior fizeram os gols palmeirenses, enquanto Guillermo Barros Schelotto e Barijho marcaram para o time argentino. A partida de volta acontece na próxima quarta-feira, no Palestra Itália, em São Paulo. Quem vencer fica com a vaga na final da competição. Outro empate leva a decisão para os pênaltis.O placar só não foi melhor para o Palmeiras por causa do árbitro paraguaio Ubaldo Aquino, que marcou pênalti inexistente para os argentinos e não deu um em cima de Fernando, provocando muita revolta na equipe brasileira. "De qualquer maneira, foi um bom resultado e o que nós sentimos aqui eles vão sentir lá", afirmou o meia Alex, já pedindo o apoio da torcida palmeirense no jogo de volta.Curiosamente, no ano passado, Palmeiras e Boca disputaram a final da Libertadores e também empataram em 2 a 2 no primeiro jogo, na Argentina. Em São Paulo, os argentinos conquistaram o título nos pênaltis, depois de um 0 a 0 no tempo normal. Para o jogo desta quinta-feira, o técnico Celso Roth optou por uma escalação cautelosa, com três volantes - Fernando, Galeano e Magrão. Os próprios palmeirenses esperavam grande pressão do adversário no início do jogo. Os atacantes do Boca, no entanto, eram bem marcados e quase não levavam perigo. O goleiro Marcos tinha trabalho apenas em chutes de longa distância.Nos contra-ataques, a equipe brasileira, comandada por Lopes e Alex, assustava os argentinos. O gol não demorou muito para sair. Aos 19 minutos, Felipe fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Fábio Júnior. O atacante tocou para Alex, que chutou com muita categoria: 1 a 0.O Palmeiras controlava bem o jogo, não deixava que os argentinos se aproximassem do gol de Marcos e ainda partia com velocidade para o ataque. Lopes quase ampliou o placar num bom chute da entrada da área. Os palmeirenses não esperavam, porém, que Ubaldo Aquino fosse dar uma "mãozinha" para os argentinos. O árbitro marcou um pênalti inexistente de Alexandre em Barijho. Schelotto cobrou com força e empatou. "Está tudo armado, a pressão da torcida faz o árbitro tremer, nem encostei no jogador do Boca", desabafou Alexandre.A torcida do Boca fez justiça à fama de ser uma das mais fanáticas do mundo. Cantou durante os 90 minutos, mas não conseguiu atormentar os jogadores do Palmeiras. Logo no início da segunda etapa, Fábio Júnior fez o segundo gol. Não deu tempo, porém, para comemorar. Na saída da bola, os argentinos empataram. Riquelme fez grande jogada e tocou para Barijho: 2 a 2.Após o gol, o Boca ganhou ânimo e passou a pressionar, mas não conseguiu fazer o gol. Marcos fez boas defesas. Num contra-ataque, o Palmeiras poderia ter definido a partida. Magrão lançou Fernando, que driblou o goleiro Córdoba e foi derrubado. Mais uma vez Ubaldo Aquino prejudicou o time paulista. Não deu o pênalti e ainda aplicou o cartão amarelo ao volante brasileiro.No final, Fernando e Barijho discutiram e foram expulsos. Mas, mesmo assim, o Palmeiras soube suportar bem a pressão do Boca e garantiu o empate na Bombonera.

Agencia Estado,

07 de junho de 2001 | 23h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.