Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Palmeiras e Corinthians ficam no 1 a 1 no Pacaembu

Empate tira o time alvinegro da liderança do Campeonato Brasileiro e mantém o alviverde mais perto da incômoda zona de rebaixamento

MILTON PAZZI JR., estadão.com.br

01 de agosto de 2010 | 17h53

SÃO PAULO - Palmeiras e Corinthians fizeram neste domingo um bom clássico e ficaram no 1 a 1, pela 12.ª rodada do Campeonato Brasileiro, no Estádio do Pacaembu. Num jogo bastante complicado para apitar pelo excesso de faltas e de jogadas rápidas, resultando em impedimentos e pênaltis não marcados, o resultado é justo pelo volume de jogo, mas com desfechos diferentes na tabela.

Veja também:

linkWilliam e Elias veem justiça em empate

linkAdílson Batista satisfeito com empate

linkFelipão minimiza ausência de vitórias

linkPara Ewerthon, árbitro influenciou

SÉRIE A - listaResultados | tabela Classificação

som GOLS (Eldorado/ESPN) - 0x1 | 1x1

É que, com o ponto somado, o time do estreante técnico Adilson Batista perde a liderança da classificação, somando 25 pontos, um a menos que o Fluminense (que ganhou no sábado). Pelo menos, tem a segunda posição garantida. Já para a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari, que segue sem vencer desde que assumiu o time alviverde, os 15 pontos lhes mantém próximos da temida zona de rebaixamento. Ou seja, longe do esperado.

FALTAS. Um jogo de velocidade, mas muito parado, com um exagero de faltas. Assim se analisa tecnicamente a partida deste domingo no Pacaembu, com maioria para a torcida palmeirense, por ser a mandante. Por causa disso, os corintianos ficaram no tobogã, como há muito não lhes acontecia.

E estes estavam de frente (apesar da visão distante) quando o Corinthians conseguiu abrir o placar do duelo, graças a uma pressão inicial. Aos 21 minutos o atacante Jorge Henrique, impedido e de letra no meio da área, fez o gol após cruzamento de Bruno César da direita (e de pé direito, o ruim).

A satisfação de estar à frente no placar acabou aos 33 minutos, ainda da etapa inicial, quando o palmeirense Edinho (em posição legal, pois estava na linha da bola), aproveitando rebote do goleiro Júlio César - que defendeu uma ótima cabeçada de Kleber - só chutou para fazer o gol e empatar.

POLÊMICAS. Apesar do placar igual, a partida fica marcada por impedimentos e pênaltis. Logo aos seis minutos do primeiro tempo, o lateral-esquerdo do Palmeiras Armero tirou uma bola cruzada na área com a mão. Aos 27 minutos, a irritação por não marcar o pênalti foi no outro lado: Jucilei segurou Ewerthon na área e Paulo César Oliveira mandou o jogo seguir.

Além disso, o time alviverde, apostando nos contra-ataques, conseguiu a proeza de ter três gols anulados por impedimento, corretamente. Em todos os lances - e não estranhe a repetição do nome - o personagem foi o atacante Ewerthon.

O primeiro foi aos 15 minutos do primeiro tempo, quando Kleber fez jogada e tocou para Ewerthon (o impedido), que passou para Lincoln marcar. Aos 3 minutos do segundo tempo, Ewerthon, impedido, fez gol mas é anulado. Aos 32, parecia replay: Ewerthon novamente foi lançado, impedido, e até chutou a bola na rede, mas o jogo estava parado.

FUTURO. Os dois times agora tem uma semana para se acertar em busca de uma vitória, na próxima rodada. O Corinthians joga de novo no Pacaembu, contra o Flamengo, e o Palmeiras enfrenta o Goiás, fora de casa. Os dois jogos serão no domingo, às 16 horas.

 PALMEIRAS - 1 - Deola; Vítor, Danilo , Maurício Ramos e Armero ; Pierre, Edinho, Márcio Araújo  e Lincoln (Tinga); Ewerthon (Patrik) e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

 CORINTHIANS - 1 - Júlio César; Alessandro , William , Chicão  e Leandro Castán ; Ralf, Jucilei, Elias (Paulinho) e Bruno César  (Defederico); Jorge Henrique  e Iarley (Souza). Técnico: Adilson Batista.

Árbitro - Paulo Cesar Oliveira (SP); Gols - Jorge Henrique, aos 21, e Edinho, aos 33 minutos do primeiro tempo; Renda - R$ 888.586,00; Público - 24.491 pagantes; Local - Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.