Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão

Palmeiras e Corinthians: 'último dérbi' vale longo tabu

Alviverde enfrenta o rival no Pacaembu às vésperas de inaugurar sua arena e equipes buscam objetivos bem distintos

Daniel Batista, Vitor Marques, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2014 | 08h03

Palmeiras e Corinthians fazem, às 16h20 no Pacaembu, um clássico pelo Campeonato Brasileiro que tem tudo para ser marcante. O confronto ganhou tons nostálgicos e tem um quê de adeus. Porque a partir de agora será uma exceção, um fato raro, assistir a um dérbi no Paulo Machado de Carvalho: a Arena Corinthians já está pronta, e o Allianz Parque será inaugurado no mês que vem.

Desde 1940, quando o estádio foi inaugurado, os rivais travaram diversos confrontos onde não faltou emoção para os dois lados. Como por exemplo, no Campeonato Paulista de 54, quando o Corinthians ganhou o título do IV Centenário.

Do lado alviverde, também houve conquistas importantes. Um exemplo foi no Brasileiro de 94, quando o Palmeiras venceu o jogo de ida por 3 a 1, com gols de Rivaldo (duas vezes) e Edmundo, e na volta a partida ficou no 1 a 1 – jogos disputados no Pacaembu. Com o resultado, o Palmeiras conquistou seu último título do Brasileiro.

Como o Pacaembu é o assunto do clássico, para quem gosta de tabus e jejum, há uma estatística que favorece ao Corinthians no jogo de hoje: a última vez que o time perdeu um dérbi na sua ‘antiga casa’ faz 19 anos. A última vitória do Palmeiras no estádio foi em 1995, 17 de setembro: 2 a 0, com gols de Muller e Antônio Carlos.

Mas os tempos são outros. O Palmeiras ainda luta para se afastar de vez da zona de rebaixamento. Tem 35 pontos, quatro a mais que o Vitória, primeiro time dentro da zona de rebaixamento. Apesar da situação não ser das mais agradáveis, o time alviverde vai a campo cheio de confiança após surpreender e empatar com o líder Cruzeiro por 1 a 1 no Mineirão.



Uma prova do quanto todos no clube querem ganhar o clássico é o fato de o Palmeiras ter agido nos bastidores para que Valdivia estivesse em campo hoje. Ele seria julgado na última quarta-feira pela expulsão contra o Flamengo e, provavelmente, seria punido com a suspensão de mais um jogo, desfalcando o time no clássico. Mas a diretoria decidiu retirar o pedido de efeito suspensivo para que ele cumprisse a pena diante do Cruzeiro e ficasse livre para hoje.

Mano Menezes, técnico do Corinthians, não gostou da ‘manobra’, mas admitiu que o chileno exige atenção redobrada: "O Valdivia faz a diferença e merece um cuidado especial, pode desequilibrar a partida num lance. E o Palmeiras sabe disso." 

Apesar da expectativa e da euforia, o técnico Dorival Júnior tenta tirar a pressão da partida e trata o confronto como outro qualquer. "Torcedor tem que saber que cada ponto será fundamental e precisa ser comemorado. A preocupação é sempre com o próximo jogo", explicou.

Além de Valdivia, outras novidades no lado verde são o retorno do zagueiro Lúcio, recuperado de dores na coxa esquerda, e a volta do volante Marcelo Oliveira, que não pôde enfrentar o Cruzeiro por ainda pertencer ao clube mineiro. Dorival não confirmou o time e a principal dúvida é se ele mantém Mazinho ou coloca Mouche, que entrou bem e fez um gol diante do Cruzeiro. Henrique, artilheiro do Brasileirão, com 14 gols, está confirmado no ataque.

Sem sua estrela. O Corinthians, que vem de duas vitórias e voltou ao G-4 do Brasileirão, tentou de tudo para escalar Guerrero no clássico. Mas o clube só conseguiu, junto ao STJD, que a punição fosse reduzida de três para dois jogos.

Mano não quer confirmar o ataque, mas a tendência é que Luciano comece jogando como titular, apesar de ir bem quando entra no decorrer dos jogos. "Não acredito muito nisso, nessa história que jogador entra bem e não inicia bem, o Luciano já fez bons jogos iniciando uma partida", disse Mano.

Em comum, Palmeiras e Corinthians vão atuar com um atacante apenas. O jogo deve ter um meio de campo congestionado, com muita pegada e marcação. Nos dois últimos jogos, o Corinthians melhorou quando Mano passou a escalar mais um armador. Foi assim que o time se recuperou da eliminação para o Atlético Mineiro na Copa do Brasil. Já o Palmeiras só voltou a vencer quando Valdivia reapareceu no time, o que justifica a ‘engenharia’ que o clube fez para escalá-lo.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS: Fernando Prass; João Pedro, Tobio, Lúcio e Juninho; Marcelo Oliveira, Victor Luis, Wesley, Valdivia e Mazinho; Henrique

Técnico: Dorival Júnior

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Gil, Felipe e Fábio Santos; Bruno Henrique, Elias, Petros, Jadson e Renato Augusto; Luciano

Técnico: Mano Menezes

JUIZ: Flávio Rodrigues Guerra (SP)

LOCAL: Pacaembu, em São Paulo

HORÁRIO: 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.