Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras e Crefisa encaminham acordo de mais de R$ 80 milhões por ano

Novo contrato de patrocínio será de valor superior ao atual e com validade por mais três temporadas

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2018 | 05h00

O Palmeiras vai definir nos próximos dias com a Crefisa os valores do novo contrato de patrocínio master. Após reeleger no fim de semana o presidente Mauricio Galiotte e garantir o décimo título do Campeonato Brasileiro, o clube se dedica agora a concluir o acordo com a empresa para receber por temporada um valor próximo dos R$ 80 milhões, portanto, acima dos R$ 78 milhões pagos neste ano.

O Estado apurou que o formato do contrato deve ser parecido ao do último acordo, assinado em fevereiro de 2017. Para cada temporada haverá um pequeno acréscimo do valor investido pela empresa. No ano passado, por exemplo, a Crefisa injetou R$ 72 milhões, para depois repassar R$ 78 milhões.

A segunda renovação do contrato de patrocínio com a parceira, presente no clube desde 2015, contará também com premiação por títulos. O acordo terá detalhes sobre quanto o Palmeiras receberá em dinheiro caso conquiste cada um dos diferentes torneios em disputa na temporada. O novo pacote de recompensas não está definido, porém deve ser similar ao atual.

O acordo em vigor estipula o pagamento de R$ 10 milhões ao clube por ter vencido o Campeonato Brasileiro. Se tivesse vencido também a Copa Libertadores e a Copa do Brasil (parou na fase de semifinal), o clube teria recebido da Crefisa R$ 18 milhões pelas duas competições.

A continuidade do patrocínio está encaminhada desde as últimas semanas. O Palmeiras e a Crefisa aguardaram principalmente a eleição presidencial no clube para avançar com os detalhes finais. Como Galiotte se reelegeu no último sábado, o acerto verbal tratado com a presidente da empresa, Leila Pereira, está para se tornar oficial.

O patrocínio da marca está na camisa do Palmeiras desde 2015. Naquela ocasião, assim como no ano seguinte, o repasse foi de R$ 66 milhões anuais. O aumento da cota para 2019, na casa dos R$ 80 milhões/ano, amplia a liderança da parceria como a maior da América do Sul para uma equipe de futebol.

A negociação em andamento se trata apenas de patrocínio, sem incluir a discussão sobre a vinda de novos reforços bancados pela Crefisa. Desde a chegada da patrocinadora ao Palmeiras, o clube conquistou uma Copa do Brasil e dois Brasileiros. 

PLANO

O Palmeiras vai usar o valor para tentar manter o elenco e trazer reforços pontuais. Segurar o atacante Dudu é um dos objetivos, já que o jogador deve receber novas propostas milionárias da China. O clube espera ainda fazer a compra do lateral-direito Mayke com o Cruzeiro e resolver algumas carências no plantel.

A principal meta é trazer um atacante veloz com característica de jogar pelos lados de campo. O Palmeiras considera que ao ter vendido Keno para o futebol egípcio, não tem mais no grupo atletas com esse perfil.Nos próximos dias a diretoria também espera renovar o contrato do diretor de futebol, Alexandre Mattos. Trazido no fim de 2014, o dirigente desperta o interesse do Flamengo, mas deve assinar um novo vínculo com o Palmeiras antes mesmo da eleição presidencial no clube carioca, marcada para 8 de dezembro. Mattos e Galiotte já começaram a tratar da renovação durante os últimos dias.

PATROCÍNIO MASTER

R$ 282 milhões - já investiu em patrocínio a Crefisa desde o começo da parceria, em 2015;

R$ 78 milhões - é o montante a ser aplicado no Palmeiras nesta temporada. No último ano, o repasse ao clube foi de R$ 72 milhões;

3 títulos - já foram conquistados pelo Palmeiras após a chegada da Crefisa - a Copa do Brasil de 2015 e as edições de 2016 e 2018 do Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.