Palmeiras e Flamengo: jogo ruim, 0 a 0

O Palmeiras segue sem perder sob o comando de Emerson Leão. Mas nesta quinta, o time paulista sofreu para segurar o empate sem gols com o Flamengo, na Ilha do Governador. O placar de 0 a 0 acabou sendo comemorado pelos palmeirenses. O time tem agora 20 pontos. O Fla, 13. O alviverde enfrenta domingo o Atlético-PR, no Pacaembu, em jogo de portões fechados para o torcedor.O minuto de silêncio em homenagem ao ex-jogador Jair Rosa Pinto, ídolo das duas equipes, que morreu nesta quinta no Rio, foi o que de mais emocionante aconteceu nos primeiros 45 minutos de disputa. Se Jair estivesse vivo, certamente não reconheceria nenhum dos times aos quais tanta alegria deu.O primeiro tempo foi de doer, sobretudo para os palmeirenses, que viram uma equipe recuada, errando passes e pouco produzindo no ataque. O primeiro chute do Verdão ao gol ocorreu aos 30 minutos, de Reinaldo. O trio sensação formado por Juninho, Pedrinho e Marcinho, reverenciado pelo técnico Leão, naufragou na Ilha do Governador. Não fizeram nada.A armação então voltou a ficar com Marcinho Guerreiro. O volante de pouca técnica parecia atrair a bola nos contra-ataques. Sem qualidade, quase sempre dava em nada.O Flamengo, sem Júnior Baiano e com a corda no pescoço, mostrou muita disposição. Ficou com a bola por mais tempo nos pés e teve as melhores oportunidades. Nada, entretanto, que tirasse a paciência de Leão. Os dois treinadores, diga-se, ficaram o tempo todo à beira do gramado orientando suas equipes.Leão ficou furioso. Juninho tentou explicar dizendo que o gramado do campo não permitiu o toque de bola de primeira. O treinador não quis saber. "Juninho e Pedrinho erraram muitos passes", disse. "Por isso que fiz as trocas e coloquei dois atacantes de ofício." A dupla Juninho e Pedrinho não voltou para o segundo tempo. Entraram Washington e Gioino, obrigando agora o time jogar mais pelas laterais - outra cobrança de Leão.O Palmeiras continuou mal no segundo tempo, tomando pressão e contando com os chutes tortos dos jogadores rubro-negros. O Fla roubou mais bola e atacou mais também. Souza, de falta, Renato, nas sobras, e até o desconhecido Bruno Mezenga tiveram chances de marcar. A melhor oportunidade do Palmeiras havia sido uma falta de Marcinho, aos 19. O Flamengo foi mais perigoso. Aos 45, por pouco, o Palmeiras não marca, após um bate-rebate na área. Mas, ficou só no quase mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.