Palmeiras e Paysandu buscam vaga

Paysandu e Palmeiras definem neste domingo o segundo finalista da Copa dos Campeões com objetivos semelhantes, mas formas de pensar opostas em relação à importância da partida. O vencedor luta pelo título em dois jogos contra o Cruzeiro, que eliminou o Flamengo. Para os paraenses, o encontro que começa às 16 horas, no Mangueirão, é encarado como o mais importante dos 88 anos do clube. Para a equipe de Vanderlei Luxemburgo, eventual classificação calará os críticos e será prova do acerto na renovação. "Enfrentaremos um time que tem no conjunto seu ponto principal", diz o treinador palmeirense.O mesmo discurso foi adotado nos dias que precederam a vitória sobre o Fluminense. Mas basta a sinceridade do experiente Arce para se saber que o Palmeiras atingiu nível de confiança elevado. "Estava no Mundial, mas soube que os jogadores treinaram por mais de 40 dias seguidos", contou. "Se o trabalho está dando certo, temos de ressaltar que a base foi mantida."Arce diz que a insistência de Luxemburgo na repetição das jogadas serviu para moldar um time competitivo. "Com ele todos têm chance de crescer", elogia o paraguaio. "Esse é o segredo do sucesso."Apesar da disparidade salarial e técnica entre os dois times, Luxemburgo passou a semana escondendo o jogo. Neste sábado, assistiu a partidas do Paysandu na competição e citou que conta com os recursos da tecnologia para chegar à final. O técnico brincou ao falar da chuva, que diariamente cai sobre Belém. "A drenagem do gramado, até onde sei, é boa. Meus jogadores não são de açúcar, não vão derreter com a água."O fanatismo da torcida rival foi tratado com indiferença pelos palmeirenses. Arce lembrou que o gramado do Mangueirão deve facilitar o toque de bola. "Pelo que soube, finalmente vamos encontrar um campo adequado. E a torcida fica na arquibancada, bem distante."O próprio Luxemburgo amenizou as críticas pelo fato de o Paysandu atuar em casa. Passou a semana tentando agradar à torcida local e teve o gesto repetido por vários integrantes do grupo. Nas entrelinhas, Lopes demonstrou que o adversário não é imbatível. "Contra o Bahia, o Paysandu só venceu no último minuto e com gol de pênalti discutível", recordou.O goleiro Marcos lembra que a Copa dos Campeões tem importância tão grande quanto o Brasileiro e a Copa do Brasil. "Lutamos por vaga na Libertadores. Por enquanto, ficamos vendo o São Caetano lutando pelo título na TV, mas imagina a competição de 2003 com São Caetano, Palmeiras e Corinthians. Seria ótimo para o futebol paulista."No Paysandu, quatro são os desfalques - Souza, suspenso, Zé Augusto, Valdomiro e Valentim, contundidos. O atacante Jajá recupera-se de contusão e depende de teste para ser escalado, mas o time paraense contará com a zaga titular, uma vez que Sérgio e Gino estão liberados pelo médico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.