JF Diório/AE
JF Diório/AE

Palmeiras e Santos empatam em 1 a 1 no Palestra Itália

Obina abre o marcador para o time alviverde no primeiro tempo e Robson deixa tudo igual na etapa final

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

28 de junho de 2009 | 20h26

Na primeira partida após a queda do técnico Vanderlei Luxemburgo e sem poder contar com o atacante Keirrison, preservado por estar perto de se transferir para o Barcelona, o Palmeiras esteve perto de bater o Santos neste domingo no Palestra Itália, mas cedeu o empate no final e ficou no 1 a 1 com o Santos, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

linkBelluzzo confirma interesse do Palmeiras em Muricy

linkJogadores elogiam Luxemburgo e evitam falar em Muricy

linkEmpate no clássico é muito comemorado pelos santistas

linkVagner Mancini diz que não teme perder cargo no Santos

especial Mercado: as transferências dos times

especial MASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especial Visite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela / tabela Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O resultado tira o time alviverde da zona de classificação para a Copa Libertadores de 2010. Agora, está em quinto lugar, com 13 pontos. Já a equipe da Vila Belmiro completa quatro confrontos sem vitória e fica apenas na 11.ª colocação, com 10 pontos conquistados até o momento.

No jogo, cada equipe foi melhor em um tempo. O Palmeiras dominou a etapa inicial e inaugurou o marcador aos 32 minutos, com Obina, que aproveitou rebote do goleiro Douglas após chute forte de Cleiton Xavier de fora da área.

O Santos, apor pressionar bastante, só chegou ao empate aos 37 minutos do segundo tempo. Após boa jogada de Wagner Diniz dentro da área, a defesa palmeirense falhou e deixou Robson livre dentro da área. O jogador, que havia entrado no lugar de Neymar, bateu forte e no canto, sem nenhuma chance de defesa para Marcos.

Os dois times só voltam a campo no próximo fim de semana. No sábado, às 18h30, o Santos recebe o Sport Recife, enquanto o Palmeiras, que espera definir o novo treinador nos próximos dias, pega o Avaí fora de casa no domingo, também às 18h30.

NO COMANDO

 Palmeiras1
Marcos; Wendel     (Ortigoza), Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre (Edmilson), Souza     , Cleiton Xavier e Diego Souza; Willians (Felipe) e Obina   
Técnico: Jorginho (Interino)
 Santos1
Douglas; Wagner Diniz    , Domingos, Fabão     e Pará(Molina); Roberto Brum, Rodrigo Souto, Paulo Henrique Ganso (Paulo Henrique) e Madson; Neymar (Robson   ) e Kléber Pereira
Técnico: Vágner Mancini
Gols: Obina, aos 32 minutos do primeiro tempo, e Robson, aos 37 minutos do segundo tempo

Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS)

Renda: R$ 257.931,24

Público: 8.277 pagantes

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)

Sem Luxemburgo e ainda atrás de um novo treinador, o clube da capital foi comandado neste domingo por Jorginho, técnico do time B. Sem inventar, ele colocou em campo a equipe que o torcedor estava acostumado a ver, com exceção de Keirrison, perto de ser comprado pelo futebol espanhol.

Já o Santos foi para o jogo pressionado, já que o treinador Vágner Mancini não está seguro no cargo. Existe a especulação de que o presidente Marcelo Teixeira quer substituí-lo por Luxemburgo, que era o comandante santista até a temporada 2007.

Com todos estes ingredientes, o clássico começou quente no primeiro tempo. Diego Souza e Domingos, que trocaram tapas na semifinal do Campeonato Paulista e foram expulsos, chegaram a se encarar algumas vezes após divididas.

Mas quem dominava o jogo era o Palmeiras, em grande atuação de Obina, coroada com o gol. Apático, o Santos assistia o adversário jogar e parecia entregue. Mas a situação mudaria completamente na segunda parte do confronto.

Com a entrada de Robson no lugar de Neymar, os visitantes ganharam mais mobilidade no setor ofensivo e começaram a levar perigo. O empate só não veio aos 26 porque Marcos fez defesa espetacular em chute do atacante dentro da área.

Mas a justiça se fez aos 37 minutos e a igualdade prevaleceu até o encerramento do clássico. Nos minutos finais, os santistas ainda perderam a chance de pressionar mais o adversário, abalado por ter deixado escapar um triunfo que parecia certo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.