Palmeiras e Santos empatam sem gols na Vila Belmiro

Duelo entre Luxa e Leão perde destaque para a violência entre Valdivia e Adriano dentro de campo

André Rigue, estadao.com.br

20 de janeiro de 2008 | 18h02

Deu empate no duelo tático deste domingo entre os treinadores Emerson Leão e Vanderlei Luxemburgo. Em partida disputada sob chuva na Vila Belmiro, Santos e Palmeiras fizeram um jogo sem muitas emoções e ficaram no 0 a 0, pela segunda rodada do Campeonato Paulista.  Veja também: Classificação Calendário / Resultados Luxemburgo e Leão nem se olham durante o clássico na Vila  Torcida apóia Emerson Leão, mas pede novos jogadores O duelo marcou o retorno de Luxemburgo à Vila. O técnico, que entrou no gramado com camisa e gravata rosa, foi criticado pelos torcedores, que gritaram "traidor, mercenário" - o treinador deixou o Santos no final do ano passado por não aceitar uma redução nos investimentos.  Luxemburgo, como sempre, aprontou uma surpresa na escalação. O técnico colocou o meia-atacante William na vaga do volante Makelele, para deixar o Palmeiras mais ofensivo e, assim, furar o bloqueio dos três zagueiros do Santos. O jogo começou quente com as duas equipes criando oportunidades. Logo aos 7 minutos, o atacante Alex Mineiro chutou da lateral e obrigou o goleiro Fábio Costa a fazer uma difícil defesa - de mão trocada, espalmando para escanteio. Três minutos depois foi a vez do Santos chegar. Carlinhos recebeu pela direita, mas errou no momento de cruzar para trás. Contudo, o jogo caiu de produção e as duas equipes passaram a se preocupar com marcação e "briguinhas", principalmente Valdivia e Adriano. O chileno recebeu uma cotovelada (o árbitro não viu), depois retrucou com uma dura entrada (o árbitro viu e não deu cartão). Só nos momentos finais que o jogo voltou a aquecer. Aos 40 minutos, o zagueiro Evaldo errou ao recuar a bola, dando nos pés de Alex Mineiro. O atacante passou para William, que desperdiçou o lance. A resposta do Santos foi imediata e Renatinho e Kléber Pereira só não marcaram porque se enrolaram com a bola na pequena área.Santos0Fábio Costa; Adaílton   , Evaldo (Domingos) e Betão; Filipi, Marcinho Guerreiro   , Adriano    (Anderson Salles), Rodrigo Tabata     (Wesley) e Carlinhos; Renatinho e Kléber Pereira   Técnico: Emerson LeãoPalmeiras0Diego Cavalieri; Élder Granja (Wendel), Gustavo   , Dininho e Leandro; Pierre, Martinez   ,  Valdívia    e William (Osmar); Luiz Henrique    (Makelele) e Alex Mineiro Técnico: Vanderlei LuxemburgoÁrbitro: José Henrique de CarvalhoEstádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)A disputa continuou com o mesmo panorama na etapa complementar. Luxemburgo, no entanto, mudou a formação do Palmeiras ao colocar Makelele no lugar de Luiz Henrique. O time ficou mais pesado e o time da Vila pôde abrir um pouco mais, principalmente nos contra-ataques. O Santos teve uma boa chance de inaugurar o marcador aos 17 minutos. Em jogada errada de escanteio do Palmeiras, o alvinegro puxou contra-ataque com Fipili. O jogador se aproximou da área e foi travado na hora da conclusão - Pierre deu um pique para alcançar o santista e dar um carrinho na bola. O Palmeiras, por sua vez, teve outra chance de marcar aos 32 minutos. Valdivia conseguiu receber a bola livre na grande área. Ele bateu forte e cruzado, mas o Fábio Costa espalmou - foi o único lance de perigo do time de Palestra Itália na etapa final. O primeiro clássico do Paulistão 2008 ficou sem gols - a primeira partida sem ter a rede balançada, por sinal. O destaque negativo ficou para a atuação do árbitro José Henrique de Carvalho, que não expulsou Valdivia e Adriano - eles continuaram a trocar "sopapos" na etapa final e apenas ganharam amarelo.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasSantosPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.