Palmeiras e São Paulo empatam por 1 a 1 no primeiro duelo

Num jogo de muita luta e pouca técnica, Palmeiras e São Paulo empataram por 1 a 1 na noite desta quarta-feira, no Palestra Itália, pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América. Aloísio abriu o placar para o time do Morumbi e Edmundo empatou cobrando pênalti polêmico.Com o resultado, o São Paulo joga por um empate por 0 a 0 na próxima quarta-feira, no Morumbi, para se classificar às quartas-de-final pelo critério de gols marcados fora de casa. Nova igualdade por 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis. Acima desse placar, dá a vaga ao Palmeiras. O primeiro tempo no Palestra Itália foi muito truncado, com excesso de faltas de ambos os lados. O árbitro Carlos Eugênio Símon mostrou cinco cartões amarelos, mas o número poderia ter sido maior. O São Paulo adaptou-se melhor ao jogo de contato físico. Logo aos quatro minutos, Aloísio ganhou no corpo de Daniel e, cara a cara com Sérgio, bateu por cima. Mas na segunda oportunidade, em lance idêntico, o atacante não desperdiçou: aos 22, ele aproveitou vacilo de Gamarra e tocou na saída do goleiro para fazer 1 a 0.Nervoso, o Palmeiras não conseguia chegar com perigo ao ataque. Edmundo mostrava boa vontade ao recuar para organizar o jogo, mas a inoperância de Marcinho e Washington atrapalhava.O empate só poderia vir numa jogada individual de Edmundo ou num lance fortuito. Deu a segunda opção: aos 34 minutos, Fabão escorou cruzamento de Wendel no braço de Souza e Símon marcou pênalti. Depois de muita reclamação do São Paulo, Edmundo bateu com categoria para deixar tudo igual.Na segunda etapa, os times deixaram a truculência de lado e resolveram apenas jogar. O Palmeiras começou melhor, tendo posse de bola, mas sem encontrar brechas na defesa são-paulina.Aos 17 minutos, cansado da improdutividade de Washington, o técnico Marcelo Villar o substituiu por Juninho, que esteve cotado para ser titular. A estratégia era clara: abrir mão de uma referência na área para atacar com a bola no chão, com Edmundo, Marcinho e o próprio Juninho.Mas nada deu certo. As investidas palmeirenses pararam no paredão formado por Fabão, Lugano e André Dias. Rogério Ceni não teve muito trabalho. O São Paulo, por outro lado, assustava nos contra-ataques. O problema era que Thiago, em noite irreconhecível, procurava insistentemente cavar faltas, em vão.Nitidamente insatisfeito com a atuação de Thiago, Muricy trocou-o por Leandro aos 32 minutos. E ele, na sua primeira participação, deixou Aloísio na cara do gol, mas o centroavante bateu em cima de Sérgio.O São Paulo chegou a assustar em um chute mascado de Danilo, bem defendido por Sérgio. Foi a última oportunidade clara de gol, apesar da pressão do Palmeiras nos últimos minutos. No fim, os dois times saíram satisfeitos com o empate.

Agencia Estado,

26 de abril de 2006 | 21h07

Tudo o que sabemos sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.