Palmeiras e São Paulo empatam sem gols no Palestra

Uma tarde sonolenta no Palestra Itália. Palmeiras e São Paulo empataram por 0 a 0 neste domingo pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado deixou o time palmeirense com quatro pontos, enquanto o rival do Morumbi, atual tricampeão brasileiro, somou seu segundo ponto.

ANDRÉ RIGUE, Agencia Estado

24 de maio de 2009 | 18h18

Preocupados com os confrontos pelas quartas de final da Copa Libertadores nesta semana, os treinadores escalaram os times com três zagueiros. O objetivo era reforçar a defesa e, principalmente, garantir um bom resultado no clássico e evitar a cobrança por parte dos torcedores.

Ao longo da semana, Muricy Ramalho reclamou das perguntas sobre o esquema tático do clube. "Jogamos assim há três anos e sempre ganhamos", esbravejou o treinador. E o São Paulo novamente utilizou o que tem de melhor: a bola aérea. No primeiro lance, aos nove minutos, Dagoberto cabeceou e Marcos fez linda defesa.

Marcos, aliás, foi mais uma vez o grande destaque do Palmeiras no primeiro tempo. O goleiro fez outro "milagre" aos 12 minutos. Sem ritmo de jogo, Mozart errou o passe no meio-campo e entregou de presente para Jorge Wagner. O lateral-esquerdo lançou Dagoberto, que chutou forte e só não comemorou o gol devido à intervenção do goleiro palmeirense.

Apesar de atuar em casa, o time de Vanderlei Luxemburgo demorou a entrar no jogo. Lance de perigo só aos 31 minutos. Wendel, que jogou na vaga de Fabinho Capixaba, cruzou para Keirrison. O atacante mandou de primeira para o gol, mas Denis espalmou. Armero pegou o rebote e cabeceou, mas André Dias impediu que Diego Souza completasse para as redes.

O pequeno público no Palestra Itália refletiu o jogo morno do primeiro tempo. A última chance criada antes do intervalo foi novamente do São Paulo. Jorge Wagner cobrou falta perto do bico esquerdo da grande área. Marcão não conseguiu cortar e Washington, na pequena área, mandou uma bomba. A estrela de Marcos brilhou de novo.

Luxemburgo alterou o Palmeiras para a etapa final e adotou o 4-4-2. O atacante Lenny ocupou o espaço do zagueiro Danilo, enquanto o volante Souza, com melhor saída de bola, entrou na vaga de Mozart. Assim, o time encontrou o espaço que não teve no primeiro tempo.

Aos nove minutos, o lance mais polêmico da partida. Diego Souza driblou dois marcadores e entrou na área. Miranda deu um carrinho e tocou na perna do palmeirense. O árbitro Rodrigo Braghetto mandou o lance seguir e revoltou Luxemburgo, que pediu a marcação da penalidade.

O São Paulo sentiu a pressão do Palmeiras e ficou acuado em seu campo. Aos 11 minutos, Keirrison perdeu uma chance incrível. Cleiton Xavier deu passe e deixou o atacante na cara do gol. Ele bateu cruzado. Denis ficou batido na jogada, mas a bola passou à direita, muito perto da trave.

Muricy foi obrigado a mexer no São Paulo. O treinador colocou Arouca na vaga de Hernanes, que caiu muito de produção nos últimos jogos. A alteração reequilibrou o jogo. E o Palmeiras ainda perdeu o zagueiro Maurício Ramos, expulso justamente aos 31 minutos por falta em Dagoberto - Richarlyson, pelo São Paulo, só foi expulso nos acréscimos.

Apesar da superioridade numérica, o São Paulo perdeu um gol incrível com Washington, aos 46 minutos - Marcos novamente defendeu. O resultado, de certa forma, foi comemorado pelos dois times. Inconformado, mesmo, ficou Luxemburgo, que saiu de campo aos gritos. "O pênalti que ele não deu. Quero ver vocês falarem."

Ficha Técnica:

Palmeiras 0 x 0 São Paulo

Palmeiras - Marcos; Danilo (Lenny), Maurício Ramos e Marcão; Wendel, Jumar, Cleiton Xavier, Mozart (Souza) e Armero; Diego Souza e Keirrison (Ortigoza). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

São Paulo - Denis; Zé Luis, André Dias, Miranda e Richarlyson; Eduardo Costa, Hernanes (Arouca), Hugo (Junior Cesar) e Jorge Wagner (André Lima); Dagoberto e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

Árbitro - Rodrigo Braghetto (SP).

Cartões amarelos - Jumar (Palmeiras); Zé Luis (São Paulo).

Cartões vermelhos - Maurício Ramos (Palmeiras); Richarlyson (São Paulo).

Renda - R$ 472.201,24.

Público - 12.023 pagantes.

Local - Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.