Palmeiras é um líder insatisfeito

O Palmeiras vem de duas vitórias consecutivas, está invicto há 11 jogos e é um dos primeiros colocados na segunda fase da Série B do Campeonato Brasileiro. Toda esta situação poderia fazer com que o grupo comandado por Jair Picerni estivesse satisfeito com seu desempenho. Mas não é assim: o Palmeiras é um líder insatisfeito. Uma mostra foi o discurso adotado por Picerni e os jogadores após a vitória por 3 a 2 sobre o Brasiliense, na terça-feira, no Palestra Itália. Todos comemoraram a segunda vitória consecutiva na segunda fase da Série B, mas ninguém deixou de lado as dificuldades enfrentadas nos últimos 45 minutos, quando tomou dois gols do adversário em dois minutos. ?Não sei como funciona com vocês, mas para mim é assim: eu nunca estou satisfeito. Sempre acho que dá para melhorar um pouquinho?, disse Picerni. Para o meia Diego Souza, esta postura é a correta. ?Não pode ficar de saltinho alto senão vem o adversário e nos atropela?, ressaltou. Segundo o jogador, esta forma de pensar não é resultado da filosofia de Picerni ou de alguns dos atletas mais experientes do grupo palmeirense, mas de todos os integrantes da equipe, que está concentrada no objetivo de conseguir a promoção para a Primeira Divisão em 2004. Sobre o jogo contra o Brasiliense, por exemplo, Diego aponta que a equipe não fez uma boa apresentação no segundo tempo. ?Acho que justifica um pouco o fato de ter sentido a diferença de jogar duas vezes durante a semana. Desde o início da Segunda Divisão a gente praticamente só tem jogado aos sábados e no fim do jogo o pessoal ficou meio cansado.? Para o jogo contra o Sport, sábado, o jogador acredita em um melhor desempenho do time, que deverá estar totalmente recuperado fisicamente. O zagueiro Leonardo é outro jogador do Palmeiras que não abdica da posição de autocrítica permanente. ?A gente nunca chega à perfeição. Temos sempre que querer algo mais porque quando estamos em cima a queda pode ser maior?, observa o jogador, com a experiência de quem viveu os momentos de angústia no ano passado, quando o time foi rebaixado para a Segunda Divisão. O jogador admitiu que o grupo ainda está sofrendo na marcação das bolas aéreas, daí, o gol tomado do Brasiliense. ?Mas acho que se você olhar as estatísticas, já estamos bem melhor do que no começo do campeonato?, aponta Leonardo. Além disso, o time teve personalidade depois de tomar dois gols e venceu. Isso no final foi importante.? Nem pensar ? Apesar da situação favorável na tabela de classificação, Picerni afirma que não pretende administrar resultado no Recife. ?Se o jogo é decisivo para o Sport também o é para nós. A gente não pode nem pensar em empatar?, declara o técnico palmeirense, ressaltando que ?este é um campeonato de tiro curto?. Para a partida de sábado contra o Sport, o técnico espera um nível de dificuldade semelhante ao do jogo contra o Brasiliense, já que o time pernambucano tem jogadores de qualidade, sobretudo no meio-de-campo. Esta característica, segundo ele, dificulta o trabalho da marcação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.