Palmeiras empata com Cerro por 1 a 1

O Palmeiras conseguiu o resultado que queria: empatou com o Cerro Porteño por 1 a 1, nesta quarta-feira, em Assunção, na estréia dos dois times no Grupo 4 da Copa Libertadores da América. A equipe paraguaia saiu na frente, mas Osmar empatou a partida no segundo tempo. Para os comandados de Candinho, foi um ótimo resultado. No embarque para o Paraguai, ninguém escondia que o empate não seria ruim, já que a equipe "ainda está em formação", segundo o próprio treinador. Domingo é o Santos, pelo Campeonato Paulista, no Palestra Itália.No primeiro tempo, o Palmeiras foi bem melhor e poderia até ter construído uma boa vantagem. O time soube se defender bem e manter a posse de bola. Criou ótimas chances para marcar. Diego Souza atuava como o principal articulador do time, e contava com o apoio maciço dos laterais Corrêa (improvisado na direita) e Lúcio. Magrão também chegava com qualidade e os atacantes, Ricardinho e Osmar, movimentavam-se bastante, criando problemas para a zaga do Cerro.A oportunidade mais clara de gol foi aos 22 minutos. Ricardinho cruzou da direita e Osmar, livre, chutou por cima. Após desperdiçar pelo menos outras quatro boas chances, o Palmeiras foi castigado, ainda no primeiro tempo. Aos 43, Ramírez cruzou da direita, Dos Santos ajeitou de calcanhar para trás e Santiago Salcedo chegou batendo forte, sem chances para Marcos. Até aí, os jogadores do Cerro se limitavam a correr atrás dos palmeirenses, sem levar perigo para o goleiro.O gol fez o Palmeiras desmoronar. O time voltou muito mal para o segundo tempo. Diego Souza sumiu. Corrêa e Lúcio passaram a errar todos os cruzamentos. Osmar e Ricardinho começaram a bater cabeça, e este último acabou sendo substituído pelo meia Cristian. Com chutes de longe, o Cerro pressionava. Foi aí que a estrela de Marcos começou a brilhar. O goleiro fez duas belas defesas. Curiosamente, foi em seu pior momento que o Palmeiras acabou chegando ao empate. Aos 27 minutos, Cristian e Marcinho trombaram. Na seqüência da jogada, a bola sobrou para Magrão. E o volante acertou um lançamento genial. Deixou Osmar na cara do gol. Na base da raça, o atacante conseguiu dar um biquinho na bola, antecipando-se à marcação e ao goleiro, que saía desesperado.Com o gol sofrido, o Cerro passou a atacar muito mais. Santiago Salcedo e Grana tiveram boas chances para marcar, mas chutaram para fora. E no último minuto, o Palmeiras ainda teve uma chance para virar, com uma cobrança de falta. Mas Alceu desperdiçou, chutando na barreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.