Palmeiras empata contra a Tuna Luso

Os jogadores do Palmeiras tiveram hoje uma pequena demonstração da pressão que irão sofrer domingo na semifinal da Copa dos Campeões contra o Paysandu. Um simples jogo-treino contra a Tuna Luso realizado no meio da tarde atraiu quase dois mil torcedores, embora boa parte deles com a camisa do time paulista. A manifestação de amor pelo futebol surpreendeu alguns atletas. "Sinceramente nunca vi uma torcida como essa", espantou-se o lateral Leonardo, o único titular que enfrentou a Tuna Luso. "O calor que eles transmitem é muito grande, mas volto a frisar que futebol se resolve dentro de campo. Torcida não ganha jogo". O jogo-treino terminou sem gols. O momento de maior emoção aconteceu no segundo tempo, quando o volante Magrão chutou um pênalti na trave. Foi também o último lance que a torcida acompanhou de perto. Um minuto depois uma forte chuva desabou sobre a capital paraense, espantando até os mais fanáticos. A multidão só retornou no final. Com gritos histéricos e pedidos desesperados de autógrafos, demonstraram carinho pelos jogadores. "Isso é muito importante, os jogadores precisam sentir uma emoção desse nível", comentou o treinador Vanderlei Luxemburgo. "Eu repito que qualquer jogo realizado aqui leva pelo menos 30 mil torcedores ao estádio". O treinador ressaltou que não escalou hoje o time reserva pensando em esconder o jogo do treinador do Paysandu. "Isso não existe. Estamos fora de casa há 24 dias, e esses atletas também precisam atuar, necessitam estar em forma para entrar no momento em que forem solicitados". Para o volante Magrão, o treino teve muita importância. "Em situações como essas temos a chance de mostrar nossa qualidade. Corri demais apesar da condição precária do gramado. A torcida sabe que não vou desanimar nunca". Os jogadores titulares realizaram um trabalho paralelo em um campo próximo ao da Tuna Luso. Amanhã o time treina em dois períodos, fisicamente pela manhã e taticamente à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.