Palmeiras empata e dá novo vexame

O Palmeiras deu um daqueles vexames para ficar na história do clube, não muito vitoriosa nos últimos cinco anos. Não foi capaz de vencer o Atlético Sorocaba, pior time do Campeonato Paulista, em pleno Parque Antártica, e só escapou da derrota por causa de um gol nos acréscimos e de uma ajudinha do juiz Luís Marcelo Cansian. O empate por 2 a 2, na noite desta quinta-feira, manteve o time na 12.ª colocação do Estadual, com 11 pontos, e aumentou ainda mais a revolta do torcedor, que foi em pequeno número ao estádio ? pouco mais de 2 mil pagantes.A torcida, como não poderia deixar de ser, vaiou os atletas e pediu mais raça e ?vergonha na cara?. A uniformizada Mancha Verde promete fazer protestos mais pesados e vai cobrar com firmeza a diretoria, exigindo pelo menos quatro reforços. Os dirigentes também não estão nada satisfeitos. Lúcio é um dos que menos vêm agradando. Se uma proposta razoável surgir, o lateral-esquerdo será imediatamente liberado para sair. A equipe não vence há 6 partidas do torneio e está apenas 4 pontos acima da zona de rebaixamento. Campanha horrível, que chega a lembrar a do Brasileiro de 2002, no qual o time foi rebaixado para a Segunda Divisão.Candinho, que chegou há menos de uma semana, não pode ser culpado. Não teve tempo para trabalhar e, mesmo que tivesse, certamente estaria com dificuldade. O elenco é fraco e suas mudanças não deram resultado. ?Nosso problema não é de treinador, falta atitude?, esbravejou o volante Magrão, um dos poucos que mostram personalidade no grupo. O adversário torna o vexame ainda mais marcante. O Sorocaba, em oito jogos, havia perdido seis e empatado dois, ocupando a lanterna da competição. Mesmo assim, equilibrou o confronto no primeiro tempo e chegou a assustar no início. Ricardinho, de cabeça, abriu o placar para o Palmeiras, e Fabiano, que deixou Alceu e Correia no chão, empatou.O Palmeiras atacava mais, mas de forma desorganizada, sem esquema tático, sem padrão, sem habilidade no meio-campo, sem um finalizador. Num contra-ataque, Luciano Henrique fez 2 a 1 para os sorocabanos. Os palmeirenses, então, saíram desesperadamente em busca da igualdade, mas não foram felizes nos arremates. Pararam nas mãos de Velloso, que brilhou pelo clube nos anos 90, e na trave. No fim, Marcos, que retornou ao gol, foi para o ataque e quase marcou de cabeça ? acertou o travessão. Velloso se chocou com o ex-colega de time e caiu no chão. Cansian o expulsou, alegando que ele estava simulando. Além dos exagerados cinco minutos de acréscimo, deu mais quatro. O Atlético já havia feito as três alterações e teve de pôr o jogador Éder no gol. Ele não defendeu chute de Osmar, que empatou aos 50 minutos.

Agencia Estado,

24 de fevereiro de 2005 | 22h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.