Palmeiras empata e mostra que continua refém de Valdivia

Palmeiras empata e mostra que continua refém de Valdivia

Chileno muda o jogo a favor do Alviverde e compromete o time ao ser expulso no empate com o Flamengo no Pacaembu

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2014 | 00h13

Valdivia foi anjo e demônio no empate por 2 a 2 entre Palmeiras e Flamengo, nesta quarta-feira, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pela 22.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ajudou a buscar a igualdade quando o time perdia por 2 a 0, mas foi expulso justamente na hora de procurar a virada. Com o empate, o time paulista foi a 22 pontos, voltou à zona de rebaixamento e vai rediscutir, pela enésima vez, a relação de amor e ódio com seu ídolo, talvez o único capaz de salvar a equipe de mais uma queda à Série B.

O técnico Dorival Junior decidiu armar um tridente no meio (Diogo, Cristaldo e Mouche) para se aproximar de Henrique, mais avançado. Além disso, improvisou o lateral-esquerdo Juninho como meia e deixou Valdivia e Allione no banco de reservas - os dois não estão completos fisicamente.

O esquema foi catastrófico. No todo e em suas partes. Juninho poderia ter sido expulso depois de duas faltas feias no início do jogo - levou apenas um cartão amarelo - e ainda falhou no gol do Flamengo, aos 12 minutos. Ele tinha a bola dominada na área, mas deixou que Canteros enchesse o pé na saída de Deola.

Mouche não funcionou na criação; Diogo e Cristaldo pouco fizeram na aproximação com Henrique, outro que teve atuação nula - saiu no intervalo. Também pesou uma atuação insegura da defesa, que ficou perdida com a movimentação do mediano ataque do rival.

O segundo gol, aos 31 minutos, pode ser explicado por aí. Os zagueiros não acharam Eduardo da Silva depois da enfiada de Léo Moura. Ele ganhou a dividida com o goleiro Deola e tocou para Alecsandro marcar sozinho. A reclamação do goleiro pedindo toque de Eduardo teve mais desespero do que razão. O toque existiu, mas foi involuntário.

Dorival Junior insistiu em algumas peças que não funcionaram desde o início. Mesmo que os meias principais estivessem baleados, ele poderia ter optado por Mendieta ou Felipe Menezes. Não fez nada disso e deixou o time sem um pingo de inteligência para sair da arapuca em que o jogo se tornara. O mais perto que se aproximou do gol foi em uma disputa aérea de Henrique e João Paulo no final do primeiro tempo. O árbitro poderia ter marcado pênalti.

O treinador só acordou no intervalo. Trocou o inexistente Mouche por Valdivia e o errático Henrique por Allione. Em poucos minutos, o time ficou vivo no ataque. Não dá para dizer que o gol de Diogo, logo aos 2 minutos, foi consequência da mudança, mas surgiu nesse contexto. Lúcio deu um chutão, Diogo acreditou e encheu o Pacaembu de esperança.

Diogo precisava acreditar em um lance que parecia perdido. Havia um ano que não marcava um gol - o último tinha sido anotado ainda na Portuguesa. Pelo Palmeiras, foram 25 jogos e, finalmente, o primeiro tento.

O estádio passou a acreditar em todas as bolas, como fez o ex-atacante da Portuguesa. O hino do clube virou a trilha da troca de passes que tardiamente começou a ser feita. Mesmo sem boas condições físicas, Valdivia fez a diferença. Ele e Diogo tabelaram e o chileno enfiou bela bola para Victor Luís chutar firme. Estava empatado o jogo: 2 a 2.

Valdivia faz a diferença também negativamente. Repetindo um velho enredo de lances polêmicas, ele pisou em Amaral e foi expulso aos 36 minutos. Deixou o time na mão, com força apenas para segurar o empate.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 x 2 FLAMENGO

PALMEIRAS - Deola; João Pedro, Lúcio, Nathan e Victor Luís; Renato, Juninho, Mouche (Valdivia) e Diogo; Cristaldo (Patrick Vieira) e Henrique (Allione). Técnico: Dorival Júnior.

FLAMENGO - Paulo Victor; Leonardo Moura, Chicão, Wallace e João Paulo; Cáceres (Amaral), Márcio Araújo (Elton), Canteros e Everton; Alecsandro e Eduardo da Silva (Luiz Antônio). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

GOLS - Canteros, aos 12, e Alecsandro, aos 31 minutos do primeiro tempo; Diogo, aos 2, e Victor Luís, aos 23 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Juninho (Palmeiras); Chicão, Cáceres, Canteros e Alecsandro (Flamengo).

CARTÃO VERMELHO - Valdivia (Flamengo)

ÁRBITRO - Anderson Daronco (RS).

RENDA - R$ 464.752,50.

PÚBLICO - 19.350 pagantes (20.587 no total).

LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.