Palmeiras empata em casa na Libertadores

Confuso, desorientado e sem inspiração, o Palmeiras não saiu do 0 a 0 com o Rosario Central, nesta quarta-feira à noite, no Estádio Palestra Itália. Com o empate, o time do técnico Emerson Leão fica em segundo lugar do grupo 7 da Copa Libertadores, com 5 pontos, um atrás do Atlético Nacional, da Colômbia. O Cerro Porteño está com 4 e a equipe argentina somou o primeiro ponto.O Palmeiras começou o jogo nervoso. Erros de passes, faltas desnecessárias e mau domínio de bola foram os principais pecados do time. O árbitro paraguaio Carlos Torres ajudou a esquentar o clima ao não coibir a violência e preferir punir os jogadores com o cartão amarelo por causa de reclamações. Foi o que aconteceu com Edmundo logo aos seis minutos.O jogo ficou concentrado pela esquerda, com os avanços de Lúcio, que errou todos os cruzamentos. Edmundo foi o único lúcido. Tentou armar as jogadas, procurou fugir da marcação, mas não teve em Marcinho ou Paulo Baier o companheiro ideal para atacar a equipe argentina.Como não conseguia chegar ao gol de Castellano, o Palmeiras trocou o nervosismo pelo desespero a ponto de Marcinho atuar em um momento da partida pela lateral-esquerda, enquanto o zagueiro Douglas apareceu na ponta-direita.Castellano só foi incomodado três vezes. Em uma falta sem força cobrada por Marcinho, em um chute para fora de Enílton e em uma finalização de longe de Correa, que o goleiro espalmou. A sorte da equipe do Palmeiras foi o baixo nível técnico do Rosario, que marcou apenas quatro gols em 11 jogos nesta temporada.Mesmo assim, foi do time argentino a melhor oportunidade na primeira etapa. Aos 43 minutos, Rubén acertou uma cabeçada, que obrigou Sérgio a fazer boa defesa. ?A marcação feita por eles dentro do nosso campo nos surpreendeu e isso dificultou nosso jogo?, disse o goleiro palmeirense, no intervalo.Para o segundo tempo, Leão trocou Douglas e Paulo Baier por Alceu e Ricardinho. Mas não deu certo. O time seguiu colecionando erros e, com um agravante, deu espaços para os contra-ataques do Rosario, que chegou a acertar a trave de Sérgio.Edmundo colocou Enílton e Marcinho frente a frente com Castellano, mas os dois foram mal na finalização. O mesmo Edmundo teve a melhor chance do jogo, mas não acertou o alvo.Na tentativa de buscar o gol salvador, o Palmeiras deu chances para o Rosario, mas a fragilidade técnica de Rubén e Vitti garantiu o empate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.