Divulgação/Palmeiras
Divulgação/Palmeiras

Palmeiras escala tradutor para ajudar japonês nos treinos para a Copinha

Clube conta com ajuda de um intérprete e alimenta expectativa pela estreia de Daiju Sasaki pelo clube

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2018 | 15h53

A preparação do Palmeiras para a disputa da Copa São Paulo, a partir de janeiro, conta com o reforço de um profissional diferente durante os treinos. O clube conta com o trabalho de um tradutor para ajudar o meia japonês Daiju Sasaki a entender as instruções do técnico Wesley Carvalho. Contratado em agosto, o jogador de 19 anos não sabe se comunicar em português ou inglês.

O elenco treina em Guarulhos antes da estreia no torneio, no dia 3, em Capivari, contra o Galvez (AC). O Palmeiras realizou nesta sexta-feira de manhã uma atividade aberta à imprensa. Durante o treino pode ser visto que o intérprete fica ao lado de Sasaki para traduzir as instruções do técnico e auxiliar na comunicação com os outros colegas.

Sasaki mora em São Paulo próximo ao Allianz Parque, no alojamento destinado aos jogadores das categorias de base. Apesar de já ter feito treinamentos com o time profissional, o meia japonês ainda não entrou em campo pelo Palmeiras. Inicialmente ele jogaria a Copa RS, realizada no começo deste mês, mas ele se lesionou e só deve ganhar chance agora, na Copinha.

O elenco sub-20 do Palmeiras perdeu sete jogadores para a disputa da Copinha. Seis atletas foram convocados para disputar o Sul-Americano sub-20 pela seleção brasileira e um outro jogador foi chamado para defender o Paraguai pela mesma competição. Além disso, outros três integrantes do plantel não poderão jogar o torneio em 2019 vão completar 21 anos e, portanto, estão acima do limite de idade.

O japonês pertence ao Vissel Kobe e  está no Palmeiras inicialmente em contrato de empréstimo de uma temporada. O clube brasileiro comprou 30% dos direitos econômicos dele como forma de abrir uma relação amigável com a equipe asiática.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.