Palmeiras espera fazer a festa da torcida

A comunhão entre o time e a torcida do Palmeiras terá um capítulo especial às 16h deste sábado, no jogo contra o Sport, no Palestra Itália. Uma vitória garante vaga no quadrangular final da Série B do Brasileiro. Na esperança de ver a equipe do coração se classificar, os torcedores acabaram com os ingressos (27.664) em dois dias. Mas que não se espere um Palmeiras festivo em campo. Pelo menos até se conquistar os três pontos.Os jogos entre a equipe paulista e a pernambucana no campeonato criaram um clima de tensão para esta decisão. Na primeira fase, o Palmeiras vencia por 2 a 0 no Palestra Itália e deixou o Sport empatar no fim, o que deixou a torcida indignada e gerou até mal-entendidos na arquibancada. Sábado passado, em Recife, houve invasão de campo de integrantes da comissão técnica do Sport (revoltados com a arbitragem) e apedrejamento do ônibus palmeirense, que venceu por 2 a 1."Dei ordem para o grupo passar uma borracha no que passou, até mesmo na invasão de campo. O Palmeiras será um time concentrado, que vai entrar em campo apenas para jogar futebol. O momento exige responsabilidade, apesar do clima de euforia que certamente tomará conta das arquibancadas", diz o treinador.Longe de ser uma unanimidade, Picerni está tentando trazer a torcida para o seu lado. Nesta sexta-feira, deixou isso evidente ao avaliar como a força da arquibancada poderá fazer a diferença. "Quero os torcedores jogando com o time. Eles sabem que nosso projeto aqui se resume a trabalho e por isso sentem prazer em comparecer ao Parque Antártica. Essa força especial nos dá muito mais ânimo. Eu assumi a responsabilidade de comandar o Palmeiras na missão de levá-lo de volta à primeira divisão, mas quero dividi-la. Ninguém faz nada sozinho."Baiano afirma que o Palmeiras está encarando a partida deste sábado como uma final de campeonato. "O jogo é na nossa casa, não podemos deixar o Sport se impor. Não temos que mudar nada em relação ao que fizemos até agora. Apenas usar nossas armas da melhor forma possível. Claro que a torcida não entra em campo, mas pode influenciar no comportamento de alguns jogadores. Vamos para mais uma final", afirma o lateral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.