Palmeiras está num ?grupo da morte? na Libertadores

A vitória por 4 a 2 sobre o Deportivo Táchira, quarta-feira, na Venezuela, foi bem mais fácil do que o técnico Emerson Leão imaginava. O técnico do Palmeiras, porém, não se ilude. Sabe que, a partir de agora, só verá pedreira na Copa Libertadores da América. Ao lado de Rosário Central, da Argentina, Cerro Porteño, do Paraguai, e Atlético Nacional, da Colômbia, já pode se considerar membro do ?Grupo da Morte?. A estréia é dia 15, contra o Cerro, em Assunção.Leão diz que ? que torna um grupo fácil ou difícil é o que se mostra em campo. "Vamos encarar três escolas diferentes, mas temos condições de passar. Para isso, no entanto, precisamos mostrar muito mais determinação. Precisamos estar preparados para todas elas.?O técnico evita dizer qual deverá ser o adversário mais complicado. Historicamente, o ?menos difícil? seria o Cerro Porteño, que nunca bateu o Palmeiras, em seis confrontos válidos pela Libertadores - ano passado, foram dois empates.O rival mais complicado deve ser mesmo o Rosário. Em jogos do Palmeiras contra argentinos na Libertadores há um profundo equilíbrio: foram seis vitórias do Verdão, cinco dos ?hermanos? e quatro empates. As últimas lembranças não são boas: o clube alviverde perdeu a final de 2000 e a semifinal de 2001 para o Boca Juniors.O Atlético Nacional também deve dar trabalho. O time de Medellín tem um ataque muito conhecido dos brasileiros: Aristizábal, ex-São Paulo e Santos, e Marcelo Ramos, que atuou no próprio Palmeiras, em 2000 ? fez nove gols em 24 jogos.Os dois se tornaram muito amigos. Ao voltar à Colômbia, Aristizábal levou o colega, já em baixa no futebol brasileiro. O problema da dupla é a idade: Marcelo está com 32 anos e Ari, 34.Curiosamente, o Palmeiras, clube brasileiro que mais disputou a Libertadores (esta é a 13ª.), só jogou quatro vezes contra um time colombiano no torneio ? foram três vitórias e uma derrota. O último foi inesquecível para os palmeirenses: a decisão em 1999, contra o Deportivo Cáli, no Parque Antártica, quando se sagrou campeão nos pênaltis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.